A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
praia secreta da comporta
Praia Secreta da Comporta

Coisas para fazer na Comporta e em Tróia

Praias de sonho, restaurantes imperdíveis e hotéis onde não nos importávamos de viver. Aqui damos-lhe mais de 30 razões para ir visitar Tróia e a Comporta.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

A Madonna comporta-se, as princesas do Mónaco comportam-se, Christian Louboutin comporta-se. E você, sabe comportar-se? A zona mais hippie-chique do país, refúgio de ricos e famosos, tem cada vez mais negócios, de pequenos-almoços saudáveis a lojas de decoração, festas brasileiras ou sunsets com hambúrgueres e cocktails. Ainda assim, mantém um lado genuíno, com restaurantes típicos, areais intocados e as lendárias melgas, claro. Descubra as mais de 30 coisas que há para fazer na Comporta e em Tróia e comporte-se como deve ser.

Recomendado: Paraísos perto de Lisboa

Coisas para fazer na Comporta e em Tróia

Ande a cavalo como a Madonna
©Manuel Manso

1. Ande a cavalo como a Madonna

A experiência é inesquecível, mas se nos faltar a memória podemos sempre contar com o Instagram de Madonna. A cantora é uma das clientes mais famosas da Cavalos na Areia, a empresa de José Ribeira na Torre, que faz os melhores passeios a cavalo do país. Depois de atravessar os arrozais, por si só já um momento incrível, os cavalos sobem as dunas até chegar à praia deserta, e ainda com um bónus: ao longe avistam-se golfinhos, que parecem mesmo ter sido contratados para a ocasião. Em 2011, José começou o negócio, um sonho antigo, com 12 cavalos num antigo armazém de arroz na aldeia. Entretanto, já são perto de 40, 20 disponíveis para passeios de hora e meia (60€). Para estas cavalgadas, não precisa de ter experiência.

Cavalos na Areia. Passeios até 30 de Setembro às 08.00, 09.30 e 11.30. 60€. Reservas com 48 horas de antecedência através de info@cavalosnaareia.com

  • Restaurantes
  • Brasileiro

O decorador Fernando Droghetti abriu há três anos o restaurante da moda de Trancoso, na Bahia – sítio frequentado pelo jet set brasileiro – o Jacaré do Brasil. Na Comporta, abriu em Junho o seu outro Jacaré, uma das grandes novidades da Rua do Secador, com uma decoração em que as duas regiões se cruzam. Na ementa há risotos, pizzas feitas em forno a lenha e massas frescas, com região. O restaurante tem uma esplanada e um bar que funciona durante o Verão até às duas da manhã, ideal para beber um copo depois de jantar.

Publicidade
  • Restaurantes

Foi uma correria mas o Bago conseguiu abrir mesmo a tempo do Verão e é uma opção refrescante no roteiro de restaurantes quase sempre cheios da Comporta. No Carvalhal, é um projecto dos amigos Miguel Moura e Francisco Costa e Silva, habitués da zona há muito tempo e que costumam sentar-se nas mesas a falar com os clientes, como se estivessem na sua sala de estar. Um deles é pescador e trocou Cascais pela Comporta, o outro viajou pelo mundo inteiro até se fixar aqui. A ideia do restaurante é servir pratos tradicionais da cozinha portuguesa com um twist, ideias dos chefs brasileiros Rodrigo Varela e Sofia Katz, como o ensopado de peixe ao qual chamam moqueca, um lombo bovino com molho roti caseiro e puré de batata doce ou um gratinado do mar com camarão, lula e alho francês, este último "já considerado um dos melhores pratos da casa", garante o gerente Joaquim Botelho. Trabalham com cinco adegas consolidadas da Zona e com produtos e produtores locais. Planeiam fechar apenas em Janeiro - e em breve terão uma sala privada.

  • Restaurantes

Foi uma das novidades de 2018 no Carvalhal e é uma extensão do restaurante com o mesmo nome em Cascais. No espaço do antigo Central Vila funciona desde o ano passado o 5 Sentidos, um restaurante que quer "despertar os sentidos" de quem ali passa a caminho da praia. Os nossos ficaram acordados com o anúncio de um "full english vegan breakfast", servido das 09.00 às 13.00, uma versão saudável do clássico english breakfast, com tufo mexido (5€) a substituir os ovos.

Publicidade
  • Restaurantes

Em Brejos da Carregueira de Baixo, O Gervásio – Casa Messejana é um dos lugares preferidos na Comporta para comer choco frito ou frango no churrasco. As especialidades da casa incluem também massada e chocos de coentrada, mas é melhor não se empanturrar muito. A Praia de Brejos, a dois quilómetros, está mesmo a pedir um mergulho. O acesso faz-se a pé, por um caminho que passa pelos arrozais e por um pinhal até chegar a uma passadeira de cimento na areia. Planeie voltar antes da hora do ataque das melgas.

  • Coisas para fazer

Se quer discutir a venda da Herdade da Comporta, o melhor é fazê-lo com um copo de vinho em frente. A mediática Herdade tem visitas diárias à sua adega por marcação (5€) e provas de vinhos que já incluem a visita. Os preços variam entre os 12 e os 18 euros, dependendo dos vinhos, com dois ou três à prova. Por mais 4€, e mediante reserva, os vinhos podem ser acompanhados de pão, queijos e enchidos, para que nada lhe caia na fraqueza.

Marcações através da loja@herdadedacomporta.pt

Publicidade
  • Compras

A primeira vez que Christina Bravo visitou a Comporta foi nos anos 80. Há sete anos, foi desafiada pela Fundação Herdade da Comporta para fazer parte do seu novo projecto. Depois de trabalhar na leiloaria Christie’s, em galerias comerciais e em serviços educativos de museus, ficou então responsável pela Casa da Cultura da Comporta. O edifício, que já foi celeiro, cinema e também “dormitório do pessoal temporário que trabalhava nos campos de arroz”, explica Christina, foi repensado pelo Estúdio Astolfi para albergar um mercado de marcas portuguesas em estruturas que lembram o Cais Palafítico da Carrasqueira. O Summer Market, assim se chama, reúne peças de 15 marcas, algumas novas por aquelas bandas: a roupa de homem Panareha, a Loja das Tábuas, a Companhia das Cestas e a Sō Comporta, de mobília. O espaço também tem exposições temporárias e pode ser alugado para eventos privados. Quanto a este boom na Comporta, Christina só espera que os investidores não tenham só preocupações económicas, mas também de “preservação”.

  • Compras

Se a Comporta ganhou nos últimos tempos uma atmosfera hippie-chique, como se estivéssemos em Formentera, a culpa é de espaços como a Lavanda. A loja da norueguesa Cathrine Austad abriu no Estoril em 2003 e em 2010 expandiu-se para esta concept store numa antiga padaria no epicentro da vila da Comporta. Espalhados pelas prateleiras e cabides estão túnicas para a praia, vestidos para uma festa de Verão, camisas coloridas para homem ou artigos para a casa de campo que ainda vai comprar. Este ano tem também disponível o perfume Alma da Comporta, criado pelo francês Pierre Bouissou, que tentou pôr as fragrâncias da zona dentro de um frasco já conhecido como o Chanel nº 5 português.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Hambúrgueres

Enquanto a época de futebol não arranca, o melhor é ir aquecendo com umas partidas de matraquilhos no Sal Burger. A carrinha de hambúrgueres dos mesmos donos do famoso Sal, na Praia do Pego, tem um espaço com mesas de madeira corridas (e outras mais pequenas para os miúdos), matraquilhos, uma loja de roupa e hambúrgueres, claro. Dos de porco preto, para os fãs da espécie, aos vegetarianos, acompanhados de batatas fritas, sumos naturais ou cocktails.

  • Compras

É verdade que continuam a nascer do dia para a noite lojas de decoração trendy por estas bandas, mas nada como andar à caça de tesouros vintage perdidos, qual Indiana Jones da Comporta. Nas velharias de Júlio Maria, à beira da estrada, no caminho para o Carvalhal, pode encontrar maravilhas em arcas perdidas. Aliás, é aqui que muitos hotéis e restaurantes da zona andam à caça de peças para a decoração.

Publicidade
  • Restaurantes

A Cavalariça abriu em 2017 em modo pop-up e conquistou a Comporta de tal maneira que acabou por ficar. O restaurante de Bruno Caseiro (que esteve em projectos em Londres do Chef Nuno Mendes) continua a ser um dos mais falados da zona. Este Verão funciona todos os dias da semana, ao almoço e ao jantar. O menu, ideal para partilhar, preparado com ingredientes locais de produtores das redondezas, de Grândola a Melides, inclui uma afamada galinha do campo assada. As chips da casa também são uma experiência.

  • Restaurantes

A golden hour, ao fim do dia, pode ser a preferida dos mosquitos, mas também é a melhor para actualizar as suas redes sociais. Nesse campo, nada melhor para fotografias que o Cais Palafítico da Carrasqueira, com as suas casinhas de madeira coloridas. O cais foi construído nos anos 50 e continua a ser usado por pescadores para, entre outras coisas, guardarem as redes. O restaurante Retiro do Pescador, ali mesmo ao lado, é um bom refúgio para quem faz brindes à Comporta castiça e genuína, com uns choquinhos de coentrada a brilhar na carta.

Publicidade
  • Restaurantes

A funcionar há 5 anos, o Colmo foi um dos primeiros sítios da Comporta a apostar em pequenos-almoços saudáveis e tornou-se um ponto de encontro matinal. Experimente os sumos naturais e avance sem medos para os cocktails da casa como o Colmo Spritz, “o cocktail mais refrescante da vila”, garantem. As refeições leves, mesmo a saber a Verão, também estão disponíveis em versão take-away. A novidade deste ano são os almoços e jantares.

  • Restaurantes

Taco a taco com A Escola, já a caminho de Alcácer do Sal, este é o restaurante mais popular das redondezas. A Dona Bia que dá nome ao espaço - e que transformou um antigo café de estrada num restaurante onde é difícil conseguir mesa - chama-se, na verdade, Paula Morgado. A especialidade da casa são os pratos feitos com arroz da zona, do afamado arroz de lingueirão ao arroz de berbigão que acompanha os linguadinhos fritos.

Publicidade
  • Compras
  • Decoração

Guarda-sóis, espreguiçadeiras para a piscina, luzes para o jardim, grelhadores para os churrascos de Verão, mesas e cadeiras para receber os amigos... Vale a pena sonhar com a sua casa de Verão na Alaire. A loja de mobiliário de exterior de Cascais instalou-se na Rua do Secador no Verão passado e já decorou vários hotéis da vizinhança, como o Sublime, na Muda. A filosofia da loja é proporcionar “momentos ao ar livre, tão confortáveis como se estivessem a acontecer dentro de casa”.

Comporta Yoga Shala
©Manuel Manso

16. Comporta Yoga Shala

Tomás Mello Breyner dá aulas de yoga num dos sítios mais bonitos de Portugal: uma cabana em frente aos arrozais, ao lado das instalações da Cavalos na Areia. À entrada há uma placa que avisa “No shoes” – mesmo assim há celebridades que parecem não saber ler – e a partir daqui os problemas ficam à porta. As aulas de yoga acontecem de manhã, em dois horários, e só duram até ao fim de Setembro. Tomás, que passa férias aqui desde que nasceu, em 1988, estudou Marketing, mas a sua vida mudou quando lhe foi diagnosticada doença de Ménière e decidiu dedicar-se ao yoga. Viveu em Nova Iorque e numa comunidade de yoga no México até se estabelecer na Comporta há seis anos. Paralelamente, também desenvolve o projecto O Pequeno Buda, com o objectivo de pôr miúdos em escolas a meditar e que já tem um minifestival.

Seg-Sáb até ao fim de Setembro, 09.00 e 11.00. 91 325 7610

Publicidade
  • Hotéis

Este novo wellness boutique resort, no caminho para a Praia do Pego, é um projecto do arquitecto Miguel Câncio Martins e um dos melhores sítios para ficar na zona. Há 73 opções de alojamento, de quartos double, duplex e deluxe até suítes e villas com piscina. A arquitectura tenta cumprir o estilo rústico da zona, conjugada com uma infinity pool aquecida e um spa, o Oryza, com tratamentos naturais e retiros de yoga. Tem também um restaurante com o mesmo nome, da responsabilidade do chef João Sousa.

A partir de 260€/noite (datas disponíveis a partir de Setembro).

  • Compras

Alma Mollemans e Emily Tomé fecharam no início do ano a Vintage Department do Príncipe Real para abrirem um espaço maior em Marvila, a Collectors. A loja da Comporta, com peças vintage recuperadas, mantém-se desde 2016 num antigo consultório de dentista e é uma das referências de decoração da vila. Por lá, encontra peças únicas como um pavão embalsamado, um antigo cavalo de ginástica e cadeiras para todos os gostos – mas não para todas as bolsas.

Publicidade
  • Restaurantes

Em Julho do ano passado, o Jardin Minerva, um projecto pop-up de dois irmãos belgas com um jardim apetecível, tornava a Comporta ainda mais cool. Este ano, o bar com hambúrgueres (desde 11€), veggie bowls, ceviches, saladas e sumos voltou a instalar-se na Comporta e é o sítio para ir depois da praia. Aos fins-de-semana, e até ao fim de Agosto, há Arrozal Tropical, noites gratuitas com uma programação recheada de DJ sets (Señor Pelota e Selecta Alice foram alguns dos convidados de Julho), concertos e actividades para miúdos como uma oficina de construção de instrumentos reciclados. É espreitar a página de instagram (@minerva_comporta) para ficar a par da agenda.

20. Não perca a Festa da Lua

A actriz brasileira Luana Piovani, agora a viver em Lisboa, lançou em Julho o calendário de Festas da Lua, três festas de Verão em parceria com o gin Amázonni, com boa onda e música brasileira que coincidem com a Lua Cheia. A primeira foi em Lisboa, no Ferroviário, e a seguir, a 15 de Agosto, na Caparica. Para acabar em grande, a última, a 14 de Setembro, está marcada para a Comporta, em local ainda por divulgar.

Festa da Lua. Sábado, 14 Setembro em local ainda por divulgar.

Publicidade
  • Restaurantes

A mercearia Gomes é uma espécie de pequeno Harrods da Comporta. A funcionar há mais de 100 anos, é um dos sítios mais movimentados da vila e não dá descanso a Carlos Gomes, o filho do proprietário. A mercearia foi uma boa prenda para o seu pai, antigo trabalhador da Herdade da Comporta.“Em vez de lhe darem uma indemnização, perguntaram-lhe se queria ficar com a loja, porque ia fechar”, conta. Carlos não gosta de usar a palavra gourmet, mas não há dúvida de que é a que melhor assenta à loja. Ele e o irmão preocuparam-se em dar aos clientes “o que lhes iam pedindo”, continua. Vinhos importados, caviar ou produtos locais, como o arroz e os queijos. “Tenho de ter produtos para se alguém quiser fazer, por exemplo, uma comida japonesa ou mexicana.” A gastronomia é a sua paixão e há um ano abriu um restaurante de vinhos e petiscos, com comida como se estivesse em sua casa. Cristiano Ronaldo já se sentou numa das suas mesas numa das noites de fado, que acontecem no Inverno.

Mercearia: Rua do Comércio, 2. Seg-Sáb 09.00-13.00/ 15.00-19.00, Dom 09.00-13.00. Restaurante: Largo Luís de Camões. Seg-Dom (encerra à quarta) 17.00-00.00. 26 549 7748

  • Compras

A Comporta está cada vez mais brasileira e a prova disso é que até a Casa Pau-Brasil decidiu passar aqui o seu Verão com uma pop-up store no Carvalhal que abriu no fim de Junho e que vai funcionar até 1 de Setembro. Um recanto brasileiro idealizado por Helena Lunardelli e Stela Batochio com uma vibe ainda mais tropical que a concept store do Príncipe Real. Entre as novidades estão, por exemplo, os biquínis da Trya e as peças de beachwear da Haight.

Publicidade
  • Restaurantes

Outro dos clássicos do Verão na Comporta, O Dinis – Restaurante Bar dos Pescadores, em plena praia do Carvalhal, é um dos melhores sítios para comer peixe fresco em cima da areia. O próprio dono, Dinis Parreira, era pescador – e portanto sabe bem o que está a fazer. Uma alternativa ligeiramente mais em conta aos restaurantes de praia com preços proibitivos das redondezas.

  • Restaurantes

A carrinha amarela de piadinas de Joana Zanotta, uma das atracções da Comporta desde 2017, pertencia a um “inglês que vendia antiguidades”. Antes de ter o seu nome associado às piadinas, Joana Zanotta também tinha outra ocupação, como professora primária. Agora dedica-se a esta especialidade italiana, que começou a fazer a pensar em eventos: “Tinha de ser uma coisa barata e rápida”, conta. Este ano, na agenda da carrinha já tem marcada a Moda Lisboa e a Web Summit, mas por enquanto – e aliás, “durante o ano inteiro” – as piadinas vão estar na Comporta. Os ingredientes são retirados da biológica Horta do Zé e este ano há novas especialidades (a caprese e a de rosbife), além de saladas e pizzadinas para comer ali ou levar para a praia. Durante a semana conte com festas sunset, entre as 18.00 e as 21.00, com cocktails como Bloody Mary.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Geladarias

O que faltava à Comporta? Uma gelataria artesanal. Pedro Machado e Gonçalo Diniz resolveram o problema e criaram este Verão a Gulato, com gelados que caíram do céu, servidos em duas carrinhas ambulantes com nomes de anjos: a Rafael no centro da Comporta, e a Gabriel, na Praia do Carvalhal. O laboratório onde preparam os sabores (caramelo salgado, chocolate fondant, morangos de Palmela ou pistáchio com sal, por exemplo) fica na Aldeia de Possanco e pode ser visitado à segunda-feira à tarde, para as sessões de degustação com copos de três sabores (5€/pessoa). Aceitam também encomendas de caixas de gelado que podem ser levantadas no dia seguinte na Praia do Carvalhal ou entregues ao domicílio, num raio de 10 quilómetros dos Brejos da Carregueira de Cima.

Tome um brunch a qualquer hora do dia
  • Restaurantes

Ao contrário do que acontece com a maior parte dos negócios da Comporta, o Be abriu primeiro na vila – no Verão passado, mesmo ao lado da loja de roupa Côté-Sud – e em Julho deste ano expandiu-se para Lisboa, com um novo espaço na Avenida João XXI – vel que o império continue a crescer. O foco está nos pequenos-almoços e brunches saudáveis (e sobretudo instagramáveis), com smoothies, bowls, bruschettas, bagels de salmão ou panquecas de alfarroba, para comer dentro de portas ou numa esplanada animada.

Publicidade
  • Restaurantes

"Peace & rice" é um dos lemas do Oba, um bar/restaurante com uma esplanada na Rua do Secador que só funciona durante o Verão. Aqui, as tardes começam a aquecer a partir das 17.00 e prolongam-se até às duas da manhã, com vários mojitos (7€), pelo caminho. Vale a pena estar atento à programação musical, com DJ sets e concertos a animar as noites mornas, digamos assim, da zona.

  • Compras

Se o Museu do Arroz, um dos mais clássicos restaurantes da Comporta, a funcionar há mais de duas décadas, dificilmente escapa a um roteiro da zona, a loja do Museu do Arroz, no Largo de São João, no centro da vila, pode não ser tão óbvia. Mas é aqui que encontra peças de vestuário únicas como as coloridas camisas da CURATED (C.R.T.D.), uma criação do jovem português Miguel Marques da Costa com algodão do Quénia, que conquistaram Madonna – e não se vendem em mais lado nenhum (a não ser online, no site www.ctdworld.com).

Publicidade
  • Hotéis

O hotel mais sublime da Comporta e arredores ganhou algumas novidades em 2019. Além de uma nova piscina biológica, o Sublime tem mais nove suítes de madeira em redor e um novo restaurante, a Tasca da Comporta. A funcionar desde 15 de Junho, e da responsabilidade do chef Tiago Santos, tem um bar com ostras do Sado e champanhe e serve petiscos como ovos com espargos, minifrancesinhas, ameijoas, pica-pau e salada de polvo. Um sonho de Verão, que dura até 30 de Setembro.

  • Atracções
  • Edifícios e locais históricos
  • preço 1 de 4

Depois de quatro “noites assombradas” em Julho, com recriações de histórias assustadoras do tempo dos romanos, as Ruínas de Tróia, lugar onde antigamente se salgava peixe, continuam a apostar numa programação cultural durante o Verão. Todas as quartas há concertos e provas de vinhos (10€) a partir das 18.00. Nos dias 23 e 24 de Agosto, os olhos estão postos no céu com as sessões de observação de estrelas (5€ até aos 12 anos, 10€ para adultos). As ruínas podem ser visitadas de terça a domingo (até Outubro) e também existem programas de festas de anos (históricas, certamente) para miúdos.

Reservas para programa de estrelas em arqueologia@troiaresort.pt. Visitas a 5,5€ (sem guia). 93 903 1936

Publicidade
  • Compras

A Serra da Estrela é onde um homem quiser. Na marina de Tróia, porque não? Foi isso que pensou Luís Marques, natural de Manteigas e proprietário do Ski Parque, na mesma zona onde, segundo o próprio, “se pode esquiar mesmo sem neve”. Em 2015, apostava noutro negócio e abria o Sabores Altaneiros, uma loja de produtos regionais da serra – queijos, enchidos, mel, vinhos, licores e compotas – em plena marina. A loja serve petiscos como a muito elogiada salada de queijo de cabra com mel e nozes ou a tosta de queijo de cabra com presunto, com vinho a copo para empurrar (há 50 diferentes). Este ano, a cerveja artesanal à pressão e o leitão assado são as grandes novidades.

  • Restaurantes
  • Frutos do mar

O Monte Mar é a novidade de Verão da Marina de Tróia. O restaurante que abriu em 1973 no Guincho e que se expandiu mais recentemente para Lisboa, ganhou em Junho um irmão mais novo com 120 lugares e vista para o Sado. Na ementa, com peixe sempre fresco e marisco, encontra o ex-líbris do restaurante original: os filetes de pescada com arroz de berbigão. O mesmo grupo que explora o Monte Mar, o Onyria, está aos poucos a conquistar Tróia – e sem o cavalo de madeira. Ganharam a concessão do restaurante da Praia Tróia Mar, junto ao complexo Aqualuz, bem como do snack-bar da Praia Bico das Lulas.

Publicidade
  • Restaurantes

Teresa Oliveira é a cozinheira do Pica Peixe, o restaurante familiar que funciona no Carvalhal desde 1999 e que tem “as melhores chamuças do mundo”, orgulha- se Augusto, o filho, atrás do balcão. “Não dão azia nenhuma”, gosta de sublinhar. “Quem as comia era o meu pai, que tinha uma úlcera. Não são agressivas para o estômago. ”A família, natural de Nampula, em Moçambique, tem também ascendência goesa e alentejana, uma mistura que se traduz nos pratos desta tasca, muitos deles feitos na hora. Aliás, se está a pensar pedir o caril de caranguejo, uma das especialidades, é melhor ligar a avisar pelo menos “uma hora antes”. O novo trunfo da casa no  Verão são as conquilhas algarvias. Este ano, há dez novos quartos com WC para alugar por cima do restaurante (perto de 30€/pessoa). O negócio é uma espécie de regresso às origens: é que em Moçambique, a família tinha também um restaurante e uma residencial. No fim dos anos 90 conquistaram o Carvalhal, onde se esperava “30 minutos para ser atendido”. “Quando abrimos, todos os que tinham restaurantes aqui vinham sentar-se na esplanada para nos ver trabalhar. Era outro ritmo.”

Mais paraísos por descobrir

  • Coisas para fazer

A pouco mais de uma hora de Lisboa, Melides oferece-nos o que de melhor podemos ter na Costa Alentejana: boa praia e bom petisco. Mas não tenha medo, há mais para descobrir nesta aldeia, mesmo que o sol não queira aparecer. 130 kms. É apenas isso que separa Lisboa desta aldeia de areais extensos. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade