A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Griffehairstyle
© Francisco Nogueira

Cortar ou pintar? Decida-se e tome nota dos melhores cabeleireiros em Lisboa

Antes de tomar aquela decisão radical, que desde já apoiamos, espreite a nossa lista. São 21 e representam a nata dos cabeleireiros lisboetas.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Preparado para se livrar de vários centímetros de cabelo? É hoje que faz aquela madeixa azul ou aquele corte radical? Mesmo que tenha respondido não às questões anteriores, recomendamos alguns dos melhores cabeleireiros em Lisboa para que se possa entregar aos cuidados de quem percebe do assunto. Encontrar um bom cabeleireiro pode ser uma aventura, mas nada tema. Fizemos uma lista com mais de 20 sugestões – há nomes de referência na cidade (dos mestres do corte aos ases da cor), espaços dignos de Instagram, catálogos com produtos naturais e orgânicos e conceitos originais.

Recomendado: Orgânicos e vegan: conheça estes cabeleireiros sustentáveis em Lisboa

Os melhores cabeleireiros em Lisboa

  • Coisas para fazer
  • Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Um salão pequeno, mas cuidado, onde não falha a atenção ao detalhe e, em especial, ao cliente. Foi em 2011 que o cabeleireiro holandês Anton Beill inaugurou este espaço na Rua Castilho. É por lá que o especialista está sempre. Vou ao meu salão, todos os dias, como se fosse o primeiro dia e dou 110%. O ponto fundamental de um cabeleireiro bem-sucedido é ser fiel ao que faz respeitando os cabelos dos clientes, diz Beill. Os preços do corte começam nos 35€ e variam conforme o hair stylist que escolher. Destaque para os produtos usados, todos naturais e criados pelo holandês. Enquanto espera, oferecem-lhe uma água, café ou chá. Vá sem pressas.

  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • São Sebastião

Visto de fora, pode parecer só mais um salão nas Avenidas Novas. Lá dentro, há uma espécie de santuário dos rituais de beleza. Mas antes de lá chegarmos, há que fazer a clientela sentir-se em casa – nada que um bom sofá à entrada, um café acabado de tirar e, com sorte, uma bandeja de pão de queijo não resolva em três tempos. O Artz abriu em Junho de 2020, quando o nível de incerteza em relação ao futuro era alto o suficiente para fazer recuar esta empreendedora e o seu sócio, Luís Zamban, esse sim, cabeleireiro de profissão e actual director criativo do espaço. E espaço é o que não falta, dos recantos para um atendimento mais recatado à zona de manicure e pedicure, passando pelos gabinetes de estética e depilação e até por um photo booth com um baloiço, a piscar o olho às redes sociais (isso e os light rings de serviço).

Publicidade
  • Saúde e beleza
  • Bairro Alto

A história do Facto confunde-se com a de Antony Millard, o seu director criativo e actual único proprietário do cabeleireiro. O conceito estreou-se em Lisboa no espaço de um antigo talho, na Rua da Rosa, saltando depois para a Rua do Norte. Fez uma escala em Santa Apolónia, entretanto extinta, e neste momento a marca acumula os serviços no Bairro Alto com a oferta do Royale, de portas abertas um pouco mais a cima, na Rua da Escola Politécnica.

  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • Cais do Sodré

Hugo Offerman conhece Josie Georgia há muitos anos. Em 1999, quando começou a sua carreira, foi precisamente no salão do Facto, marca co-criada pela hair stylist londrina. Agora, passadas mais de duas décadas, decidiram abrir juntos o Ferragial, na rua com o mesmo nome, um cabeleireiro com preços justos e produtos naturais. O corte de cabelo curto, por exemplo, que não precisa de um brushing, fica a 35€. Se for comprido, fica por 45€. Além de cortes, fazem também tratamentos (15€-25€), penteados simples (40€), coloração (35€-45€) e madeixas (15€-90€).

Publicidade
  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • Bairro Alto

Esqueçamos o típico salão caótico, repleto de estímulos visuais e musicado por secadores e conversas de fundo. Aqui, o branco predomina, num espaço pensado para ser amplo, limpo e minimal. Os detalhes industriais – o tecto em cimento e os candeeiros metálicos – dão-lhe ares de modernidade, o lustre sobre a recepção dá o toque boémio que faltava ao Fiero. É atrás do balcão que encontramos Flávio Passos e Micael Dourado, dois mestres da cor, que também dominam a arte do corte. Desde Dezembro que os clientes de há anos vêm aqui – são mulheres, na maioria, embora Flávio tenha mais clientes homens. Do trabalho quase científico de uma balayage (80€) ou de um efeito sunkissed (madeixas a partir de 75€) aos igualmente exigentes desafios de cor, que envolvem rosas e amarelos (42€), o Fiero é uma espécie de atelier de pintura, onde também começam a chegar algumas figuras públicas, entre elas Gisela João, Joana Gama, Sérgio Praia ou Cláudia Pascoal.

  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • Bairro Alto

Ao fim de muitos anos na Rua das Flores, a Griffehairstyle disse adeus à velha morada para ganhar nova casa na Rua da Atalaia, onde Helena Vaz Pereira continua a liderar a equipa como ninguém. Este é um novo capítulo na história deste salão, que abriu a sua primeira vez em 1993 no Saldanha – mas é um capítulo que perpetua a fama (e o proveito) que a Griffehairstyle continua a ter sempre de tesouras e secadores em punho. De actrizes a modelos, de bloggers a músicos, o toque da Griffe alastra-se por todo o lado, e se adora namorar o corte de cabelo alheio, vai certamente tirar daqui muitas ideias. 

Publicidade
  • Saúde e beleza
  • Chiado

Joana e Alexandre criaram o Hair Fusion em 2013, com aquele toque urbano e aspecto industrial. E vendo bem, um espaço dedicado ao hair styling em muito se associa a uma sofisticada fábrica de penteados, com cortes e cores à medida da fauna que se passeia pelo fabuloso Chiado. Por aqui aposta-se no conceito shabby chic, assim qualquer coisa como um chique falsamente gasto e desleixado, porque nada é deixado ao acaso.

  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • Avenida da Liberdade

Não há montra para a rua nem nada que anuncie o que está para lá do número 31 da Rua Rodrigues Sampaio, a dois passos da Avenida da Liberdade. Mas quem lá vai sabe ao que vai e a discrição é propositada. É João Gaspar o hair stylist que agora ocupa o antigo espaço do cabeleireiro Miguel Viana em Lisboa. Além da recepção, desvendam-se três salas: uma para o corte e styling, outra dedicada à coloração e ainda uma sala de tratamento – divisões para percorrer sozinho, já que aqui só há espaço para um cliente de cada vez. À saída, a conta fica-se entre os 30€ e os 65€, caso opte por cortar, ou entre os 65€ e 75€, no caso das colorações (as nuances oscilam entre os 150€ e os 200€).

Publicidade
  • Coisas para fazer
  • Chiado/Cais do Sodré

Um café e cabeleireiro que aposta em produtos orgânicos e sustentáveis, do champô à semente moída e torrada do cafeeiro. Rafael Silva andava nas lides dos cabeleireiros há muito. Willian Bertuola e Gilbert Marconi fizeram um curso intensivo de barista no Brasil e, já em Lisboa, trabalharam no Café de Finca e no Comoba, respectivamente. O espaço é minimalista e tem muita luz natural, um verdadeiro contraste com a selva urbana de plantas que decora a Kaya. Da cozinha, onde está Gilbert, saem refeições rápidas, orgânicas e maioritariamente vegetarianas – abastecem-se junto de produtores locais – e vão para a mesa tostas compostas, brownies de feijão, bolos caseiros ou taças de açaí. Não falham as panquecas, doces ou salgadas. A comida empurra-se ora com o café de especialidade (v60, aeropress, filtrado ou chemex), com sumos naturais, limonada ou kombucha artesanal, e para quem preferir há vinho biológico do projecto Aparte. O café coabita com as tesouradas de Rafael Silva. No seu cantinho não entram marcas convencionais, só orgânicas (Oway e Davines) e fazem-se todo o tipo de obras-primas capilares. Cortes, hidratações, reconstrução, coloração e descoloração. O espaço funciona com os mesmos horários do café, o que é uma vantagem porque ao domingo não fazem gazeta. 

  • Compras
  • Chiado/Cais do Sodré

Ricardo e Peter dão a cara pelo Kooa Hair, que abriu de fininho pouco antes da quarentena, e regressou em força para mudar o visual de muito boa gente. O salão fica em São Bento e, apesar de não ser muito grande, o minimalismo do espaço faz parecer tudo mais amplo e luminoso. No Kooa, orgulham-se de apostar cada vez mais num estilo de vida sustentável usando maioritariamente marcas naturais como a Organic Way (OWAY), aprovada pela PETA. Mas se há coisa em que estes dois são especialistas  além do corte e styling, claro – é na coloração, e não dizem que não a um bom desafio. Um arco-íris na cabeça? É para já. Cabelo azul céu? Sim, senhora. É só ter vontade de mudar, a dupla trata do resto. 

Publicidade
  • Compras
  • Chiado
  • preço 2 de 4

Este cabeleireiro do Chiado é uma espécie de manifesto anti-salão convencional. Pelo menos, foi sempre esse o tipo de espaço que Mathieu Dubet quis evitar. Depois de passar por alguns dos cabeleireiros mais concorridos de Lisboa, entre eles o Facto (ainda em Santa Apolónia) e o &SoWhat (no Chiado), decidiu lançar-se sozinho. Clientes não faltam e entram onde for preciso para entregarem as suas cabeleiras, umas mais fartas do que outras, nas mãos do jovem mestre coiffeur. Felizmente, entrar no Lisbaeta não é sacrifício nenhum, conheçam-se ou não as habilidades do dono da casa.

Lúcia Piloto Avenida – Luxury Concept Store
  • Coisas para fazer
  • Grande Lisboa

Cabeleireiro, color bar, spa, maquilhagem, pedicure, manicure e um salão para os senhores: está tudo concentrado em dois pisos na Avenida da Liberdade. Desligar-se do mundo exterior e viver uma experiência de luxo é a bandeira da Lúcia Piloto Avenida – Luxury Concept Store. O nome é extenso, mas o conceito é simples. Sob o mote disconnect to connect, o espaço convida a deixar o stress e a agitação citadina fora da porta 25 da Rua Rosa Araújo. Aqui a tecnologia dá as mãos à natureza para criar uma nova experiência de bem-estar. Além do serviço habitual de cabeleireiro, há uma zona de relaxamento com um jardim vertical. O piso de baixo divide-se entre o cabeleireiro de homem, os tratamentos de manicure e pedicure e depois o spa, com cinco salas de tratamento de rosto e corpo. Mas se há massagem que só pode fazer aqui é a The Mindful Touch, um tratamento que o leva numa experiência imersiva que requer a utilização de uns óculos de realidade virtual – uma forma de entrar num modo zen total.

Publicidade
  • Saúde e beleza
  • Santa Maria Maior

Imagine que chega à Baixa-Chiado via metro, escolhe efectuar a saída pela Rua do Crucifixo, e nisto apetece-lhe dar uma volta de 180 graus à sua vida – e já se sabe como nestas coisas há que começar pelo cabelo. Pois bem, não pense mais (aliás, não pensar muito nas coisas faz parte do projecto de mudança). Dê um pulo ao Metrostudio e pelo caminho inscreva-se num workshop da Academia de Susana Bravo.

  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • Grande Lisboa

A sensação de conforto é imediata nesta antiga loja de chapéus convertida em muito mais do que um simples cabeleireiro. O Minds & More é um clube de membros, onde os profissionais usam o espaço como um cowork, podem trazer os seus próprios produtos e atendem os seus clientes, explica Kasia Kosiarska, a proprietária. As paredes revestidas a madeira e o acabamento do tecto fazem deste o sítio perfeito, não só para mudar de visual como também para ouvir música – além de hair stylist experiente, Kasia tem carreira feita como DJ. As marcações são feitas online, a recepção é calorosa e a sustentabilidade é um dos lemas inscrito na agenda. Marcas naturais como a Kevin Murphy são privilegiadas. Os produtos portugueses vêm logo a seguir, com destaque para a algarvia 8950.

Publicidade
  • Coisas para fazer
  • Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Sem saírem da estreita Travessa Légua da Póvoa, a dupla d’O Cabeleireiro não foi muito longe. Mudaram o número da porta, abriram um espaço maior e tornaram-se mais sustentáveis. Cristiano Napolitano, colorista, e Mónica Dias, cabeleireira, são a sombra um do outro. Nesta morada funcionava dantes uma padaria, da qual mantiveram o chão, a bancada de mármore e alguns azulejos. Mas a transformação foi drástica: as paredes brancas ganharam vida com sinalética decorativa e as prateleiras presas com fivelas expõem os produtos da única marca do salão, a italiana Davines, vegana e isenta de petróleo.

  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • Campo de Ourique

Um três em um improvável: loja, café e cabeleireiro. O projecto de Natasha Cálem é sustentável e amigo do ambiente. Aqui cortam-se cabelos de adultos (30€-38€) e crianças (13€-18€) de terça a sábado. Se cortarem mais de 17 cm a Pikikos envia o cabelo para a Little Princess Trust, para ser aproveitado para perucas de crianças e adolescentes. Na Pikikos os produtos utilizados são da marca Davines, do norte de Itália, que levou o troféu por ser completamente isenta de petróleo e vegana. Pelo meio, pare para beber um café de especialidade ou aproveitar os menus de almoço asiáticos, servidos todos os dias.

Publicidade
  • Saúde e beleza
  • Cabeleireiros
  • Avenidas Novas

No Arco do Cego, entre a Praça de Londres e o Saldanha, são raros os negócios de rua, mas desde o início da pandemia que existe o Sala – um salão alojado no piso térreo de uma das moradias do bairro construído na década de 1930. O espaço desafia as expectativas do visual de um salão comum, com uma disposição de sala de estar, com mobiliário confortável, uma estante pejada de livros e quadros nas paredes. Com formação na reputada escola Vidal Sassoon, em Londres, e experiência em solo português, Maria Castello Branco desafiou Sara, ex-colega, para se juntar a ela enquanto dupla. No Sala, o corte varia entre os 20€-28€, no caso de cabelo curto, e 30€-38€ no caso de cabelo comprido (com lavagem, secagem, brushing e produtos).

  • Saúde e beleza
  • Lisboa

Chamar cabeleireiro ao Creative Hair Studio do Saldanha é meio limitativo. É que as paredes acomodam a intervenção artística de Tamara Alves, escovas modernaças, entre outros detalhes que gritam futuro. O projecto tem a assinatura de Olga Ferreira-Hilário, a art-director do estaminé, que permite escolher com quem quer tratar do cabelo, seja com ela, com os stylist ou senior stylist (o preço varia, claro). O espaço tem-se tornado cada vez mais sustentável, tanto através das marcas que utiliza como dos procedimentos, eliminando quase na totalidade os produtos descartáveis.

Publicidade
  • Saúde e beleza
  • Chiado/Cais do Sodré

O WIP é para almas determinadas, daquelas que abrem o Instagram da casa, abrem a boca de espanto com as fotografias em destaque e fazem-se ao caminho para reproduzir algo do género no seu próprio cabelo. Claro que ninguém leva a mal se aparecer para algo menos arrojado, mas vá por nós: dizer algo como é só para aparar as pontas é quase sacrilégio.

  • Compras
  • Estrela/Lapa/Santos

O sonho de Diego Morais ganhou forma ali para os lados da Lapa. O Zero35 é um pequeno salão dedicado a cabelos e unhas, onde o atendimento tem requintes de exclusividade. O espaço foi transformado para dar lugar a um salão acolhedor e minimal, onde as paredes têm um ar inacabado e a paleta de beges domina até o mobiliário. No total, trabalham cinco pessoas no Zero35, embora a prioridade seja sempre não juntar demasiados clientes à mesma hora. O salão não funciona à porta fechada, mas Diego quer manter uma atmosfera de exclusividade e evitar a lotação esgotada.

Publicidade
  • Coisas para fazer
  • Chiado

Em pleno Chiado, o &SoWhat pode passar despercebido no meio da azáfama regular do bairro, mas fideliza quem entra e muda de visual. O espaço é arejado, minimalista e com uma zona de lavagens para entrar logo em modo zen e deixar que lhe tratem do pêlo. Aqui a beleza trata por tu o sustentável e o orgânico usando a marca Organic Way (OWAY), aprovada pela PETA e uma das primeiras marcas de cuidados capilares baseada em extratos biodinâmicos, plantas micronizadas, óleos essenciais e hidrolatos. Cortes, coloração, styling, máscaras ou madeixas – pode fazer tudo isto sempre com o selo de sustentabilidade associado, comprometendo-se com o comércio justo e a minimização do desperdício.

Beleza e bem-estar

  • Coisas para fazer

Escolher um cabeleireiro nunca é só escolher um cabeleireiro e em havendo uma mão cheia de novos espaços na cidade, a tarefa só pode sair facilitada. Desde o início da pandemia que os profissionais do corte e da cor não têm cruzado os braços. Mesmo com dois confinamentos pelo meio, Lisboa viu nascer novos cabeleireiros, todos eles com as suas especificidades. Dos ambientes intimistas, quase a fazer lembrar uma sala de estar, aos interiores de sonho, passando pelos que se propõem a tratar de tudo o que complementa o cabelo, aponte estes novos cabeleireiros em Lisboa.

  • Coisas para fazer
  • Aulas e workshops

Ter um aparador em casa recheadinho de maquilhagem que lhe serve de stand de trabalho para se embonecar todos os dias é o ponto de partida para admitir que sofre de um fanatismo qualquer perante pincéis, batons, sombras, bases, iluminadores, blushes ou eyeliner. Se é sempre requisitado para maquilhar alguém para aquela ocasião especial também é um sinal de que, talvez, a maquilhagem ocupe um grande espaço na sua vida. Porque não aperfeiçoar a técnica? Nada tema, porém, se não dá uma para a caixa, porque estes cursos de maquilhagem em Lisboa ajudam qualquer um a entrar neste mundo e a sair como um verdadeiro profissional. Desde maquilhagem mais simples, à indústria da moda e do cinema, conheça estes cursos de maquilhagem em Lisboa.

Publicidade
  • Compras

Elas voltaram em força e é raro o bairro que não tenha, pelo menos, uma barbearia. Entre casas centenárias, que, naturalmente, exibem o charme da idade, e novos negócios que ganham fama além-fronteiras, como a Figaro's, que esta semana abriu um novo espaço na Baixa, dedicámo-nos a escolher as melhores barbearias em Lisboa. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade