Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores restaurantes no Parque das Nações

Os melhores restaurantes no Parque das Nações

A zona oriental da cidade está a crescer em sabor. Estes são os melhores restaurantes no Parque das Nações

Publicidade
Fifty Seconds
©Manuel Manso Fifty Seconds

A mesa é das desculpas mais sólidas para rumar a Oriente e aqui tem garantidas muitas viagens, da China a Itália, de Portugal ao Japão, de Angola ao Uruguai. O Parque das Nações está a crescer muito graças à quantidade de empresas que poisaram por ali – são assim os lisboetas que ganham com novos e espaçosos restaurantes a nascer no lugar a que já chamámos Expo. Bons velhos tempos. Actualize-se no nome da zona e na restauração, que está a ganhar moradas e qualidade a olhos vistos, e siga este roteiro dos melhores restaurantes no Parque das Nações.

Recomendado: 16 coisas para fazer no Parque das Nações

Os melhores restaurantes no Parque das Nações

Fifty Seconds
©Manuel Manso
Restaurantes, Haute cuisine

Fifty Seconds

Parque das Nações

O primeiro restaurante em Lisboa de Martín Berasategui, o chef espanhol com mais estrelas Michelin, fica no topo da Torre Vasco da Gama, no hotel Myriad by Sana, e o nome faz jus à subida: do sopé até à sala demoramos exactamente 50 segundos. Lá em cima, com uma vista 360º (parte da experiência é também a visita à cozinha, que com jeitinho permitem), esperam-lhe dois menus de degustação (e escolha à carta) para uma viagem de três horas, no mínimo, pelos clássicos de Berasategui, como o mil-folhas de foie gras com maçã verde e enguia fumada e outras criações em parceria com o chef executivo Filipe Carvalho.

Cantinho do Avillez
©Arlindo Camacho
Restaurantes, Português

Cantinho do Avillez

Parque das Nações

Trata-se do mesmo conceito com que inaugurou em 2011 no Chiado, e que já replicou no Porto, com algumas nuances. Os clássicos do Cantinho do Avillez vão marcar presença: falamos dos peixinhos da horta com molho tártaro, do tártaro de atum com sabores asiáticos, dos ovos cozidos a baixa temperatura, com chouriço e pão frito, das lascas de bacalhau e do prego MX-LX, um prato d.i.y. bem popular. Para finalizar, não podia faltar a sobremesa que se celebrizou no primeiro restaurante, a Avelã3, além do bolo de chocolate à Cantinho com gelado de morango.

Publicidade
ZeroZero
DR
Restaurantes

ZeroZero Parque das Nações

Parque das Nações

O restaurante italiano do Príncipe Real abriu no Parque das Nações, com as mesmas pizzas, os mesmos cocktails feitos com prosecco e charcutaria, as mesmas buganvílias a enquadrar o espaço exterior, aqui com vista para o rio. O segundo espaço da ZeroZero é bastante maior (tem capacidade para mais de 400 pessoas) e acrescenta à oferta três opções de risoto: o de tinta de choco e choco (15,50€) , o de speck com queijo asiago (15€) e o primavera, com legumes e puré de ervilhas (13,50€).

quanjude
DR
Restaurantes, Chinês

Quanjude

Parque das Nações

O Quanjude é especialista na cozinha da região chinesa de Sichuan, que se distingue pelo uso abundante de chilis e remonta à era da Dinastia Qing. Na China é a grande sensação e tem mais de 50 espaços – na Europa este é o primeiro. O prato principal é o pato à Pequim e há todo um ritual de preparação. Se não gostar de pato, nada tema: a ementa tem 50 páginas, com pratos de várias carnes, peixes, mariscos e sobremesas. Há um tabuleiro com fatias de peixe picante (30,90€), robalo com vegetais (37,90€), dim sums, beringela com molho de alho (9,90€). De sobremesa há batata doce caramelizada, pêra chinesa com vinho tinto (6,90€), bolas de tapioca com leite de coco (2,90€) e um doce com feijão azuki (3,50€). 

Publicidade
Restaurantes, Chinês

The Old House

Parque das Nações

O restaurante do Parque das Nações é o primeiro na Europa de uma cadeia chinesa, com dezenas de espaços pela China, onde os chefs passam por um processo de recrutamento, treino e selecção bem exigente. Só têm a ganhar os lisboetas, que podem provar a gastronomia de Sichuan, a mais gourmet do país e onde o picante marca vários pontos da ementa – usam bastante ma la, uma mistura de pimentas e especiarias que deixa a boca dormente. Experimente a carne de porco desfiada e o pato à Pequim.

Miss Saigon
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Vegetariano

Miss Saigon

Parque das Nações

O nome foi inspirado na obra de Puccini por causa da paixão que existe entre o Ocidente e o Oriente na cozinha deste restaurante vegetariano do Parque das Nações. Desde 2009 que Cláudia Salú e Paulo Almeida alimentam os alfacinhas com boa comida saudável. As especiarias e as ervas aromáticas frescas, dizem, são as matérias-primas fundamentais a partir das quais criam novos pratos. Já chegaram, inclusivamente, a fazer mais de 700, de 70 países diferentes. Contam ainda com sopas, smoothies e chás biológicos.

Publicidade
Restaurantes, Pizza

Pizzaria Luzzo

Parque das Nações

Esta pizzaria abriu o primeiro espaço na Rua de Santa Marta, a três passos da Avenida da Liberdade, em 2014, e desde então já se espalhou pela cidade – há já no Parque das Nações, em Odivelas e na Avenida Conde Valbom. As pizzas são de massa fina, confeccionada em forno de lenha. A Onassis é um dos ex-líbris desta casa que entretanto já foi também franchisada no Norte e cruza ingredientes portugueses com os melhores italianos.

Butchers - Sala de Refeições
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Butchers

Parque das Nações

Este restaurante é perfeito para carnívoros ou não fossem as carnes maturadas a especialidade da casa. Vêm dos Estados Unidos, da Austrália, Dinamarca, Baviera, Uruguai ou Espanha e tanto chegam já prontas para ser consumidas, como para serem maturadas no restaurante. Seguem depois para a grelha, sem sal ou outros temperos – prove o chuletón (23,50€, uma peça de 700 a 800 gramas) ou o tomahawk (59,90€ para duas pessoas), ambos com 35 dias de maturação. Além disto há ainda hambúrgueres e pregos em bolo do caco, magret de pato ou pratos mais leves, como saladas ou um tártaro de carne com creme de abóbora e requeijão (9,85€). 

Publicidade
mar parque das nações
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Cervejarias

Mar

Parque das Nações

Todo o peixe deste restaurante do Parque das Nações é de mar, ou não fosse este o nome do mais recente projecto dos donos da Forneria, na mesma zona da cidade. O Mar não é só um restaurante de peixe, mas também não é uma marisqueira tradicional, apesar de ter um grande aquário com santolas, lagostas e sapateiras. É uma “mariscaria-peixaria”, descreve o chef André Veríssimo. E tem três ambientes distintos: uma zona de balcão, para picar qualquer coisa descontraidamente e com uma tela que sobe e desce em dias de bola; uma sala com mesas de tampo de mármore e muita luz; e um canto com um sofá, mais recatado, para grupos ou almoços de negócios. 

pannacota do forneria
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Italiano

Forneria

Parque das Nações

Este restaurante e pizzaria aberto no final de 2016 tem o know-how do pizzaiolo Vítor Cunha impresso nas pizzas. A massa fermenta em 48 horas e as pizzas são feitas em forno de lenha. Há desde as clássicas parmigiana e prosciutto e funghi às gourmet, como a pizza speck ou Joselito, com o presunto espanhol. Mas há burrata DOP servida com tomate e pesto ou a focaccina com presunto de bolota pata negra com 24 meses de cura para começar a refeição. Há também boa massa fresca e  hambúrgueres no forno em massa de pizza. 

Publicidade
Restaurantes, Cozinha contemporânea

Cartel 36

Parque das Nações

Não estranhe quando lhe puserem à frente uma tábua de ardósia com linhas brancas – não são substâncias ilícitas. O “cartão de visita” do Cartel 36 são estas linhas de azeite em pó, servidas com pão torrado e azeitonas para começar a refeição. No restaurante da zona sul do Parque das Nações há variedade de proteínas – há picanha do Uruguai, lagartinhos de porco preto, maminha maturada australiana, lombo de bacalhau e bife de atum. Os “acompanhantes de luxo” são os legumes braseados, cogumelos grelhados com queijo da Ilha ou noodles com balchão e ovo curado. 

Ohana By Naz
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Ohana by Naz

Parque das Nações

Anaisa Rashul é coach de nutrição holística, uma prática que utiliza os alimentos para o bem-estar do corpo e da mente, e pô-la a bom uso quando abriu o seu restaurante vegan no Parque das Nações – chama-se ohana, que significa “família” em havaiano. Todos os dias entre as 12.00 e as 15.00 há buffet, do qual fazem parte três pratos quentes, dois acompanhamentos, alguns salgados, uma sopa e um hummus (9,50€). Aos domingos é dia de brunch (12€).

Publicidade
Bota Feijão
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

Bota Feijão

Parque das Nações

A prova de que não é preciso atravessar o país para comer um leitão a sério, assado a preceito, num forno de lenha, está neste restaurante de Moscavide. As leis são as mesmas da Bairrada, isto é, pele estaladiça, molho picante e batatas fritas às rodelas bem crocantes. Uma dose são 12€.

Tagliatelle
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Italiano

La Tagliatella

Parque das Nações

O La Tagliatella tem dupla nacionalidade – é uma cadeia espanhola de comida italiana das regiões de Piemonte, Ligúria e Emília-Romagna, sempre em doses generosas. O espaço em Lisboa é grande e luminoso, perfeito para famílias. A carta divide-se entre pratos mais frescos, como os tártaros, carpaccios e saladas; de carne e os grandes clássicos italianos, como risotos, pizzas e belas massadas. Pode escolher sempre o tipo de massa e o molho que quer.

Publicidade
Restaurantes, Japonês

Arigato

Parque das Nações

O Arigato foi o primeiro restaurante japonês a democratizar os buffets de sushi – primeiro no Campo Pequeno, depois no Parque das Nações. Ao almoço este banquete de sushi, onde tem muito por onde escolher, das peças mais tradicionais às de fusão, custa 15,90€, aos jantares sobe para 23,90€ mas pode pedir tudo o que estiver na carta. 

L'Origine
©Inês Félix
Restaurantes, Italiano

L'Origine

Parque das Nações

O L’Origine abriu no Parque das Nações pelas mãos do pizzaiolo Roberto Mezzepelle e Chakall, ambos sempre com Itália ao peito e no prato. Há entradas obrigatórias como as focaccias e bruschettas, as burratas e os carpaccios – prove o di manzo com carne de boi. As pizzas são a jóia da coroa e pode escolher as de massa tradicional, beterraba ou massa preta de carvão vegetal.

Publicidade
© Manuel Manso
Restaurantes, Hambúrgueres

Guilty Oriente

Parque das Nações

O novo Guilty é um pequeno oásis no piso térreo do Tivoli Oriente que, apesar da partilha de ADN com o anterior na Avenida da Liberdade, vem para subir a fasquia. Ainda há challenge, é certo, ainda há asinhas, as pizzas continuam a marca da casa, os hambúrgueres idem, mas as mudanças foram extensas. Os ingredientes ganharam responsabilidade, a apresentação é pensada à exaustão, a cor é omnipresente e a sensação é de que qualquer coisa que acabemos por comer não irá desapontar. Tudo em nome de um só propósito: que o que chegue no prato seja absolutamente – ênfase em absolutamente – pornográfico.

Nova Peixaria
©Arlindo Camacho
Restaurantes, Português

Nova Peixaria

Parque das Nações

A Nova Peixaria tem “fish bars” nos espaços de alimentação de alguns centros comerciais, mas é no Parque das Nações que apresenta
 a sua cozinha, num restaurante à séria. Há dourada, salmão, garoupa ou lula grelhados (a partir de 12,50€, com acompanhamentos), hambúrgueres e pregos de peixe e saladas ricas. Se for com amigos carnívoros, ou ficar com fome depois da barrigada de peixe,
 peça o prego, bem tenro – é sempre uma boa sobremesa.


Publicidade
Esplanada do Senhor Peixe
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Senhor Peixe

Parque das Nações

Este Senhor tem um aquário que impressiona logo à entrada e peixe do bom: os salmonetes são umas das estrelas
 do menu dos grelhados, mas atenção à imponente caldeirada ou à solene massada de cherne. Para jantaradas em grupo com comida à séria, espreite os menus de grupo (a partir de 35€ por pessoa) com peixe grelhado no carvão.


Restaurantes

Mwana Pwo

Parque das Nações

No Parque das Nações também há espaço para um restaurante de cozinha angolana, com ambiente acolhedor e serviço atencioso. Há pratos como o arroz da ilha de Luanda, um arroz malandro de corvina fresca, camarão, lula, amêijoas e mexilhões frescos, pimentos e ervas (26,90€ para dois), calulu de peixe (15,80€), moqueca (15,90€), muzongué (15,60€), cabidela à angolana (13,90€) ou a cachupa da casa, com milho, feijão, várias carnes e enchidos (13,40€). Aos domingos ao almoço há um buffet com as especialidades todas, da moamba à cachupa (16€).

Restaurantes por zona em Lisboa

Ararate
Fotografia: Duarte Drago
Restaurantes

Os 80 melhores restaurantes do mundo em Lisboa

Já sabemos que não há comida como a nossa, mas é bom variar. Hoje em dia não tem de ir aos shoarma de centro comercial nem aos chineses com chop soy para ser uma boca viajada. O mundo é redondo como um prato e cabe inteirinho em Lisboa. Se dúvidas houvesse, demos a volta ao mundo em Lisboa com uma visita a 80 restaurantes que nos pôs a barriga a dar horas em todos os fusos horários. 

Muito Bey - Tapas
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Os melhores restaurantes do Médio Oriente em Lisboa

Esqueça as mil e uma noites e coloque o mindset mais nos mil e um pratos. Temos Turquia, Líbano, Síria e o estilo do Médio Oriente inteiro: muitos pratos para partilhar e o pão como estrela da mesa. Nem precisa de pegar na bússola para rumar a Oriente, basta pegar nesta lista e orientar-se por estes restaurantes do Médio Oriente em Lisboa.

Publicidade
pistola y corazon, desanuio
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Mexicano

Os melhores restaurantes mexicanos em Lisboa

O melhor é pedir uma marguerita ou um cocktail com mezcal assim que chegar um destes restaurantes mexicanos em Lisboa – afinal a cozinha mexicana é conhecida pelo seu nível de picante (e aqui convém ter atenção às malaguetas assinaladas nas cartas, que não estão lá para enganar ninguém).

You may also like

    Publicidade