Os melhores restaurantes no Parque das Nações

A zona oriental da cidade está a crescer em sabor. Estes são os melhores restaurantes no Parque das Nações

DRZeroZero no Parque das Nações

Da China a Itália, de Portugal ao Japão, a mesa é das desculpas mais sólidas para rumar a Oriente. O Parque das Nações está a crescer muito graças à quantidade de empresas que poisaram por ali – são assim os lisboetas que ganham com novos e espaçosos restaurantes a nascer no lugar a que já chamámos Expo. Bons velhos tempos. Actualize-se no nome da zona e na restauração e siga este roteiro dos melhores restaurantes no Parque das Nações.

Recomendado: 16 coisas para fazer no Parque das Nações

Os melhores restaurantes no Parque das Nações

Cantinho do Avillez

Trata-se do mesmo conceito com que inaugurou em 2011 no Chiado, e que já replicou no Porto, com algumas nuances. Os clássicos do Cantinho do Avillez vão marcar presença: falamos dos peixinhos da horta com molho tártaro, do tártaro de atum com sabores asiáticos, dos ovos cozidos a baixa temperatura, com chouriço e pão frito, das lascas de bacalhau e do prego MX-LX, um prato d.i.y. bem popular. Para finalizar, não podia faltar a sobremesa que se celebrizou no primeiro restaurante, a Avelã3, além do bolo de chocolate à Cantinho com gelado de morango.

+ O que tem de saber sobre o Cantinho do Avillez no Parque das Nações

Ler mais
Parque das Nações

ZeroZero Parque das Nações

O restaurante italiano do Príncipe Real abriu no Parque das Nações no último Verão, com as mesmas pizzas, os mesmos cocktails feitos com prosecco e charcutaria, as mesmas buganvílias a enquadrar o espaço exterior, aqui com vista para o rio. O segundo espaço da ZeroZero é bastante maior (tem capacidade para mais de 400 pessoas) e acrescenta à oferta três opções de risoto: o de tinta de choco e choco (15,50€) , o de speck com queijo asiago (15€) e o primavera, com legumes e puré de ervilhas (13,50€). 

 

Ler mais
Parque das Nações
Publicidade

Quanjude

3 /5 estrelas

O Quanjude é especialista na cozinha da região chinesa de Sichuan, que se distingue pelo uso abundante de chilis e remonta à era da Dinastia Qing. Na China é a grande sensação e tem mais de 50 espaços – na Europa este é o primeiro. O prato principal é o pato à Pequim e há todo um ritual de preparação. Se não gostar de pato, nada tema: a ementa tem 50 páginas, com pratos de várias carnes, peixes, mariscos e sobremesas. Há um tabuleiro com fatias de peixe picante (30,90€), robalo com vegetais (37,90€), dim sums, beringela com molho de alho (9,90€). De sobremesa há batata doce caramelizada, pêra chinesa com vinho tinto (6,90€), bolas de tapioca com leite de coco (2,90€) e um doce com feijão azuki (3,50€). 

 

Ler mais
Parque das Nações

The Old House

5 /5 estrelas

O restaurante do Parque das Nações é o primeiro na Europa de uma cadeia chinesa, com dezenas de espaços pela China, onde os chefs passam por um processo de recrutamento, treino e selecção bem exigente. Só têm a ganhar os lisboetas, que podem provar a gastronomia de Sichuan, a mais gourmet do país e onde o picante marca vários pontos da ementa – usam bastante ma la, uma mistura de pimentas e especiarias que deixa a boca dormente. Experimente a carne de porco desfiada e o pato à Pequim. 

 

Ler mais
Parque das Nações
Publicidade

Miss Saigon

O nome foi inspirado na obra de Puccini por causa da paixão que existe entre o Ocidente e o Oriente na cozinha deste restaurante vegetariano do Parque das Nações. Desde 2009 que Cláudia Salú e Paulo Almeida alimentam os alfacinhas com boa comida saudável. As especiarias e as ervas aromáticas frescas, dizem, são as matérias-primas fundamentais a partir das quais criam novos pratos. Já chegaram, inclusivamente, a fazer mais de 700, de 70 países diferentes. Contam ainda com sopas, smoothies e chás biológicos.

 

Ler mais
Parque das Nações

Pizzaria Luzzo

Esta pizzaria abriu o primeiro espaço na Rua de Santa Marta, a três passos da Avenida da Liberdade, em 2014, e desde então já se espalhou pela cidade – há já no Parque das Nações, em Odivelas e na Avenida Conde Valbom. As pizzas são de massa fina, confeccionada em forno de lenha. A Onassis é um dos ex-líbris desta casa que entretanto já foi também franchisada no Norte e cruza ingredientes portugueses com os melhores italianos.  

 

Ler mais
Parque das Nações
Publicidade

Butchers

Este restaurante é perfeito para carnívoros ou não fossem as carnes maturadas a especialidade da casa. Vêm dos Estados Unidos, da Austrália, Dinamarca, Baviera, Uruguai ou Espanha e tanto chegam já prontas para ser consumidas, como para serem maturadas no restaurante. Seguem depois para a grelha, sem sal ou outros temperos – prove o chuletón (23,50€, uma peça de 700 a 800 gramas) ou o tomahawk (59,90€ para duas pessoas), ambos com 35 dias de maturação. Além disto há ainda hambúrgueres e pregos em bolo do caco, magret de pato ou pratos mais leves, como saladas ou um tártaro de carne com creme de abóbora e requeijão (9,85€). 

 

Ler mais
Parque das Nações

Mar

Todo o peixe deste restaurante do Parque das Nações é de mar, ou não fosse este o nome do mais recente projecto dos donos da Forneria, na mesma zona da cidade. O Mar não é só um restaurante de peixe, mas também não é uma marisqueira tradicional, apesar de ter um grande aquário com santolas, lagostas e sapateiras. É uma “mariscaria-peixaria”, descreve o chef André Veríssimo. E tem três ambientes distintos: uma zona de balcão, para picar qualquer coisa descontraidamente e com uma tela que sobe e desce em dias de bola; uma sala com mesas de tampo de mármore e muita luz; e um canto com um sofá, mais recatado, para grupos ou almoços de negócios. 

 

Ler mais
Parque das Nações
Publicidade

Forneria

4 /5 estrelas

Este restaurante e pizzaria aberto no final de 2016 tem o know-how do pizzaiolo Vítor Cunha impresso nas pizzas. A massa fermenta em 48 horas e as pizzas são feitas em forno de lenha. Há desde as clássicas parmigiana e prosciutto e funghi às gourmet, como a pizza speck ou Joselito, com o presunto espanhol. Mas há burrata DOP servida com tomate e pesto ou a focaccina com presunto de bolota pata negra com 24 meses de cura para começar a refeição. Há também boa massa fresca e  hambúrgueres no forno em massa de pizza. 

 

Ler mais
Parque das Nações

Cartel 36

Não estranhe quando lhe puserem à frente uma tábua de ardósia com linhas brancas – não são substâncias ilícitas. O “cartão de visita” do Cartel 36 são estas linhas de azeite em pó, servidas com pão torrado e azeitonas para começar a refeição. No restaurante da zona sul do Parque das Nações há variedade de proteínas – há picanha do Uruguai, lagartinhos de porco preto, maminha maturada australiana, lombo de bacalhau e bife de atum. Os “acompanhantes de luxo” são os legumes braseados, cogumelos grelhados com queijo da Ilha ou noodles com balchão e ovo curado. 

 

Ler mais
Parque das Nações
Publicidade

Ohana by Naz

Anaisa Rashul é coach de nutrição holística, uma prática que utiliza os alimentos para o bem-estar do corpo e da mente, e pô-la a bom uso quando abriu o seu restaurante vegan no Parque das Nações – chama-se ohana, que significa “família” em havaiano. Todos os dias entre as 12.00 e as 15.00 há buffet, do qual fazem parte três pratos quentes, dois acompanhamentos, alguns salgados, uma sopa e um hummus (9,50€). Aos domingos é dia de brunch (12€).

 

Ler mais
Parque das Nações

Bota Feijão

A prova de que não é preciso atravessar o país para comer um leitão a sério, assado a preceito, num forno de lenha, está neste restaurante de Moscavide. As leis são as mesmas da Bairrada, isto é, pele estaladiça, molho picante e batatas fritas às rodelas bem crocantes. Uma dose são 12€. 

 

Ler mais
Parque das Nações
Publicidade

La Tagliatella

O La Tagliatella tem dupla nacionalidade – é uma cadeia espanhola de comida italiana das regiões de Piemonte, Ligúria e Emília-Romagna, sempre em doses generosas. O espaço em Lisboa é grande e luminoso, perfeito para famílias. A carta divide-se entre pratos mais frescos, como os tártaros, carpaccios e saladas; de carne e os grandes clássicos italianos, como risotos, pizzas e belas massadas. Pode escolher sempre o tipo de massa e o molho que quer.    

Ler mais
Parque das Nações

Arigato

O Arigato foi o primeiro restaurante japonês a democratizar os buffets de sushi – primeiro no Campo Pequeno, depois no Parque das Nações. Ao almoço este banquete de sushi, onde tem muito por onde escolher, das peças mais tradicionais às de fusão, custa 15,90€, aos jantares sobe para 23,90€ mas pode pedir tudo o que estiver na carta. 

Ler mais
Parque das Nações
Publicidade

Restaurantes por zona em Lisboa

Os cinco melhores restaurantes no Bairro Alto

Corremos o Bairro Alto e cruzámo-nos com mais de 100 restaurantes pelo caminho, mas apenas cinco marcam presença no Guia de Restaurantes Time Out 2018. De cozinha de autor ao novo restaurante israelita, estes são os cinco melhores restaurantes no Bairro Alto.

Ler mais
Por Mariana Correia de Barros

Os melhores restaurantes em Belém

A fome arranja-se facilmente com uma corrida pelo passeio que acompanha a margem do rio, ou mesmo com umas pedaladas de bicicleta. Uma paragem talvez para a observação de turistas junto dos Jerónimos e dos Pastéis de Belém ou até para uma voltinha no Museu Berardo. Deixe as selfies com vista para a ponte 25 de Abril para depois e comece a pensar em talheres. Esta lista dos melhores restaurantes de Belém começa numa estrela Michelin e muita atenção ao produto e acaba numa tasca com a estrela benfiquista nas paredes e muito foco na dobrada.

Ler mais
Por Catarina Moura
Publicidade

Os melhores restaurantes na Baixa

Mal-amada pelos lisboetas e idolatrada pelos turistas, a Baixa continua a ter vários restaurantes que merecem a sua atenção – quer ande à procura de boa comida portuguesa, de um japonês diferente dos congéneres ou daqueles clássicos que mantêm a qualidade há anos. Estas são as nossas escolhas dos melhores restaurantes na Baixa.   

Ler mais
Por Mariana Correia de Barros

Comentários

0 comments