Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores sítios para lanchar em Lisboa

Os melhores sítios para lanchar em Lisboa

Para ficar a comer e conversar toda a tarde ou sossegado a ler, estes são os melhores sítios para lanchar em Lisboa.

Milkees
©Inês Félix
Publicidade

Todos sabemos que o pequeno-almoço é aquela refeição que nunca devemos saltar mas os médicos defendem também que não devemos ficar mais do que duas a três horas sem comer e por isso há que cumprir a recomendação. Comece já a pensar onde vai lanchar. Seja durante uma tarde de trabalho, para matar saudades daquele amigo ou familiar e pôr conversa em dia, ou ao fim-de-semana para ficar toda a tarde a relaxar. Nestes sítios para lanchar em Lisboa sai sempre revigorado e/ou de barriga cheia: estamos a falar de pain au chocolat, croissants, merendas mistas, tostas, cupcakes, bowls, éclairs doces ou salgados... e por aí fora.

Recomendado: Os melhores pequenos-almoços em Lisboa

Os melhores sítios para lanchar em Lisboa

Isco Pão e Vinho
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Padarias

Isco

icon-location-pin Alvalade

Nesta padaria artesanal de Alvalade, além de bons pães de fermentação lenta sempre a sair do forno (à vista de todos), há uma série de opções de pastelaria “de padeiro”: falamos de pain au chocolat, bolos de canela ou de cardamomo, brioches com creme pasteleiro e framboesa e bostock de pêssego. Tudo para comer acompanhado por um bom copo de vinho ou uma bebida quente.

L'eclair, campo das cebolas, eclairs
Fotografia: Duarte Drago
Restaurantes

L'Éclair

icon-location-pin Santa Maria Maior

Na L’Éclair do Campo das Cebolas há éclairs perfeitinhos e coloridos de banoffee ou de cookies ’n’ cream. Nesta terceira loja da marca de Matthieu Croiger há também éclairs salgados até para lanches ajantarados, como o de magret de pato, de salmão fumado ou de presunto, queijo roquefort e nozes.

Publicidade
Fábrica Lisboa
©Fábrica Lisboa
Restaurantes, Cafés

Fábrica Lisboa

icon-location-pin Baixa Pombalina

É quase como entrar na casa da avó: nas estantes há caixas de mercearia antigas; em cima do balcão, uma balança serve de apoio a almanaques Borda d’Água; e é numa máquina industrial antiga que se tiram os cafés. À mesa comem-se croissants com tudo e mais alguma coisa, do salgado ao doce, fatias de quiche, sandes, tostas e várias opções de pastelaria, do caracol, à tarte de amendoim e caramelo.

tease
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Pastelarias

Tease São Paulo

icon-location-pin Cais do Sodré

Os cupcakes são o bolo mais famoso da Tease mas na rua de São Paulo, no Cais do Sodré, além da tentadora montra de bolos que vai mudando, servem refeições todo o dia e têm uma carta de cocktails para entrar no ritmo da zona. Além de quatro a cinco variedades de cupcakes por dia, com massas, recheios e coberturas coloridos a (2,20€ cada) e bolos à fatia, há opções para um lanche ajantarado, das quesadillas às tábuas de queijos e enchidos. Regue o lanche com um mojito de frutos vermelhos servido em jarro “que dá para duas pessoas” (6€) – é o cocktail da casa.

Publicidade
O Moço dos Croissants
©DR
Restaurantes, Pastelarias

O Moço dos Croissants

icon-location-pin Campo de Ourique

Manel Perestrelo é o moço responsável por esta pastelaria especializada em croissants simples ou com recheios, perfeitos para um lanche guloso de passeio pelo bairro de Campo de Ourique. Na oferta doce há o clássico doce de ovo, lemon curd, caramelo salgado ou praliné (2,20€-2,70€). Nos salgados, além dos mais simples mistos ou com presunto, há propostas com queijo brie e cogumelos (2,20€-4€). Há sumos naturais para acompanhar, chocolate quente valrhona ou variedade de chás e cafés.

Kaffeehaus
© John Wolf
Restaurantes, Cafés

Kaffeehaus

icon-location-pin Chiado

É um favorito para bons almoços e jantares austríacos mas o lanche também é uma boa opção. O apfelstrudel, o famoso pastel folhado recheado com maçã e canela, passas e pão ralado crocante, ou a sachertorte, um bolo de chocolate com recheio de compota de alperce e cobertura de chocolate negro, servido com natas, são boas escolhas.

Publicidade
Pão de canela
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Cafés

Pão de Canela

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

A esplanada sobre o jardim da Praça das Flores é um dos pontos altos do espaço. Com boa pastelaria, com destaque para os croissants, tem ainda um interior simpático e familiar, a fazer lembrar uma sala de chá. Também ali vão turistas, mas o ambiente de café de bairro ainda não se perdeu. Há famílias que ali chegam, grupos de conversa amena e tomam-se cafés tardios, a acompanhar o jornal. Ao fim-de-semana, o brunch de buffet é concorrido. 

lost in
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Cafés

Lost In

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

O Lost In tem uma das esplanadas mais bonitas da cidade, com camas em ferro e dosséis, e uns bons scones para comer ao lanche. No jardim são servidos todo o dia (no interior só fora das horas de almoço e jantar). O prato vem com dois, um potezinho de manteiga e doce à escolha.

Publicidade
Madpizza, baixa, piza
Manuel Manso
Restaurantes

Green Coffee da Madpizza

icon-location-pin Baixa Pombalina

A Madpizza começou a ganhar terreno dentro de centros comerciais mas entretanto alargou o negócio e já tem mais lojas fora de food courts e mais oferta. Na Baixa lisboeta mantém o menu de pizzas saudáveis mas tem uma novidade, um café chamado Green Coffee, com comida para pequeno-almoço e lanche a todas as horas do dia. 

simpli, coffee shop
Manuel Manso
Restaurantes, Cafeteria

Simpli

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Esta coffee shop perto do Marquês tem os melhores cafés da cidade, garante o dono, Mário Cajada. São servidos com todos os preceitos a que um café obriga: uma gramagem específica por chávena e ser tirado entre 20 e 26 segundos. Aqui, além de um bom expresso (1,10€) ou daquilo a que Mário chama cocktails – um latte ou um capuccino, por exemplo –, ainda come pastelaria feita na casa, de tarteletes a croissants, de caracóis sem frutas cristalizadas a arrufadas, não esquecendo uma boa oferta de pães.

Publicidade
Dacquoise
©Manuel Manso
Restaurantes, Pastelarias

Dacquoise

icon-location-pin Campo de Ourique

Na Dacquoise, em Campo de Ourique, a pastelaria fina francesa tem preços mais acessíveis para se tornar numa pastelaria do bairro, para todas as horas do dia. E tem todos os clássicos franceses para o lanche: o Paris-Brest em forma de flor às tartes de fruta, de morango com pistácio e creme de pasteleiro, de limão merengado ou de cassis, o Opera, o mi cuit, qual petit gateaux de chocolate, os financiers, os éclairs fresquinhos, e mil-folhas, croissants simples ou recheados. A vertente pastelaria complementa-se com a de padaria, com fornadas quentes a sair várias vezes ao dia, e também com os salgados, com sanduíches francesas de queijo brie, de presunto, de frango ou paio do lombo e saladas.

Fauna e Flora
©Manuel Manso
Restaurantes

Fauna&Flora LACS

icon-location-pin Lisboa

O Fauna&Flora é um sucesso no que toca a pequenos-almoços e brunches à la carte mas a ementa vasta dá para muito mais do que isso. Ao lanche vão bem umas panquecas (das mais saudáveis, com aveia, maçã e iogurte às hiper calóricas e pecaminosas com manteiga de amendoim), um taça de iogurte com granola caseira ou uma das tostas abertas. 

Publicidade
Seagull Method Café
©Inês Félix
Restaurantes, Europeu

Seagull Method Cafe

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

No menu do Seagull Method Café tem opções para lanches simples ou outros mais compostos, para quem já sabe que só vai jantar mais tarde. Há iogurte com granola caseira, puré de manga e fruta fresca (4,90€), croissant com ovos mexidos, queijo-creme, presunto e chili (5,10€) ou umas mini panquecas, feitas com queijo cottage, com caramelo caseiro e frutas (5,90€). Depois da escolha feita é só esperar que a mesinha à entrada, onde há um janelão enorme, esteja disponível para ficar a ver as modas.

Donnie Dough
©Manuel Manso
Restaurantes

Donnie Dough

icon-location-pin Grande Lisboa

Para lanches gulosos, vá à Donnie Dough, em São Bento. À primeira vista, o ex-líbris da casa vai parecer uma bola de gelado, mas não se deixe enganar pelas cuvetes e pelos copinhos em que este doce é servido. A cookie dough – massa de bolacha, se traduzirmos à letra – é uma espécie de bolinho cremoso para comer à colher. Tem ainda brownies, cookies ou bagels.

Publicidade
Milkees
©Inês Félix
Restaurantes, Cafés

Milkees

icon-location-pin Grande Lisboa

No Milkees, entre São Sebastião e o Marquês, o espaço é simples, pequenino, decorado com muita madeira e flores naturais e há sempre um cheirinho a café (aqui é servido o de especialidade) e bolos no ar. Todas as manhãs há fornadas de cookies, grandes, com a massa ligeiramente crua, pedaços de chocolate enormes e flor de sal no topo – são feitas com manteiga noisette, e são as estrelas da casa, juntamente com as cookies de canela (1,60€ cada). Há sempre bolos do dia diferentes, sumos naturais e sandes.

Croissant de Sesimbra
©Manuel Manso
Restaurantes, Pastelarias

Croissant de Sesimbra

icon-location-pin Lisboa

Estes croissants, nem folhados nem brioche e com um ar caramelizado, podem ser recheados com doce ou salgado. Ou comer simples, já que são bem estaladiços por fora e têm um interior macio. Além desta especialidade da casa, perfeita para lanches, há outras opções, como wraps. Para os indecisos com tanta oferta, ou numa lógica grab&go, há caixas para levar três ou seis croissants de uma vez. 

Lisboa doce

Boubou's - Pavlova
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Três sítios para comer pavlova

Parece um bolo meio desfeito mas é na verdade uma pavlova, um bolo com base de merengue feito pela primeira vez em homenagem à bailarina russa Anna Pavlova. Deve ser o equivalente a um espectáculo de fogo-de-artifício na boca, como diria Remy, o rato do Ratatouille, ou seja, deve ser crocante por fora e macio e suculento por dentro. Depois pode ter vários toppings mas o mais habitual são as frutas frescas, dos morangos às cerejas. Se não tem vagar para seguir a receita à risca em casa, e por mais desleixado que este bolo pareça, não é fácil. Siga as nossas sugestões e peça esta sobremesa num destes três sítios. 

Isco - Pain au Chocolat
©Manuel Manso
Restaurantes, Pastelarias

Três sítios para comer pain au chocolat

Por mais que sejamos grandes defensores da nossa boa pastelaria e doçaria conventual portuguesa, a verdade é que não dispensamos um bom croissant francês para pequenos-almoços ou lanches, em versões salgadas ou doces. O pain au chocolat, conhecido em Portugal como napolitana, é um tipo de massa folhada doce, em forma quadrada, com um (ou mais) pedaços de chocolate negro no centro. Pode, e deve, ser comido a qualquer hora do dia, frio ou, pedindo com jeitinho, aquecido ligeiramente para derreter o chocolate do recheio. Faça já o roteiro para os lanches de Natal e descubra onde comer pain au chocolat nestes cafés ou pastelarias em Lisboa.  

Publicidade
Brigadeiros - Ponto mais doce da Cidade
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Três sítios para comer brigadeiro

São pequenas bolinhas de felicidade importadas do Brasil, mais especificamente de São Paulo. E não é fácil resistir a este doce que na sua versão mais tradicional é feito à base de leite condensado e chocolate (qual bomba calórica) e com uma preparação relativamente rápida e fácil de reproduzir em casa. Entretanto já há brigadeiros de todos os sabores, do amendoim ao morango, caramelo, caju, limão. Há até uns com nacionalidade luso-portuguesa que mantêm a base de leite condensando mas sabem a arroz doce, pastel de nata ou baba de camelo. Prove os brigadeiros destes três sítios e tire a sua prova dos nove. 

Publicidade