A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
terreiro do paço
Fotografia: Arlindo Camacho

As melhores coisas para fazer hoje em Lisboa

À procura de um bom plano para hoje? Siga as nossas sugestões das melhores coisas para fazer em Lisboa.

Publicidade

Quer aproveitar a cidade e não sabe por onde começar? Nos teatros não faltam peças, no cinema não faltam filmes e fora de portas a animação também promete preencher a cidade. Há exposições, mercados ou concertos e muitas sugestões gratuitas. Temos a receita secreta para ter sempre coisas para fazer em Lisboa, dentro ou fora de portas. Aproveite e viva a cidade ao máximo. Descubra as melhores coisas para fazer hoje em Lisboa.

Recomendado: Coisas grátis para fazer esta semana

As melhores coisas para fazer hoje em Lisboa

  • Arte
  • Arte urbana
  • São Sebastião
Na exposição "The world of Banksy: the immersive experience" encontra réplicas de mais de 50 obras do incógnito artista urbano. Um mundo que já passou por Barcelona, ​​Praga, Dubai, Milão e Paris e agora chega a Lisboa. Mais uma exposição não autorizada do artista desconhecido mais famoso do planeta, com reproduções feitas por uma equipa de artistas urbanos, também não identificados, contratados por Haziz Vardar, o curador belga desta exposição itinerante que pode estar em vários sítios ao mesmo tempo. Na Capsule irá encontrar algumas das obras mais conhecidas do artista britânico, como a icónica “Girl with balloon”, que apareceu pela primeira vez em 2002 no distrito de South Bank, em Londres; ou “Rage, Flower Thrower”, que representa um homem a lançar um buquê de flores como se fosse um cocktail Molotov, criado em Jerusalém, em 2005. Destaque também para a recriação do quarto que Banksy decorou para o Walled Off Hotel, o hotel com a pior vista do mundo, já que está localizado mesmo em frente ao muro que Israel ergueu na fronteira com a Cisjordânia. Nesse quarto, vê-se “Israeli and Palestinian pillow fight”, um stencil onde um soldado israelita e um manifestante palestiano lutam com almofadas.
  • Coisas para fazer
  • preço 0 de 4
  • Lisboa
Acabaram os Santos, mas não acabaram as festas. Está de regresso o programa Lisboa na Rua, todos os anos organizado pela EGEAC, e que integra uma panóplia de eventos de acesso gratuito e em espaços ao ar livre. Este ano, acontece entre 19 de Agosto e 18 de Setembro, com espectáculos para todas as idades e algumas novidades, de José Saramago aos 200 anos da independência do Brasil. Dança, teatro, música, cinema, literatura ou magia recheiam a programação, já disponível no site Cultura na Rua, da EGEAC.
Publicidade
  • Filmes
  • Lisboa
A esplanada do restaurante 39 Degraus, na Cinemateca Portuguesa, transforma-se numa sala de cinema ao ar livre entre o final de Julho e todo o mês de Agosto. De segunda a sábado há um ecrã exterior que exibe clássicos e filmes de culto, de My Fair Lady, de George Cukor, a Melancolia, de Lars von Trier. Ao reservar mesa e jantar no restaurante, os bilhetes são oferta.
  • Música
  • preço 0 de 4
  • Alvalade
O mais vasto e ambicioso programa de Noites de Verão da Filho Único arranca já na terça-feira, 5 de Julho, com a inauguração, na Galeria ZDB, da instalação sonora O Nosso Pão, de Björn Torske e DJ Nigga Fox. E só termina a 3 de Setembro, data das actuações de Alexander von Schlippenbach, pianista determinante do free-jazz europeu, e outros artistas no Goethe-Institut. Pelo meio, passa pelos jardins das Galerias Municipais – Quadrum, do Museu de Lisboa – Palácio Pimenta e do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, e pelo Anfiteatro de Pedra, na Tapada da Ajuda.
Publicidade
  • Teatro
  • Campo Grande/Entrecampos/Alvalade
A partir de O Que Importa É Que Sejam Felizes!, de Luísa Costa Gomes, Maria Rueff e Joaquim Monchique desdobram-se em múltiplas personagens, levando-nos numa viagem atribulada e hilariante pelos quatro cantos da Residência Sénior Antúrios Dourados, onde duas idosas embarcam numa competição desmedida por um quarto particular após a “partida” da sua anterior ocupante.
  • Teatro
  • Santa Maria Maior
A versão musical em dois actos do mais célebre filme de Pedro Almodóvar chega a Lisboa sob direcção de Filipe La Féria. Com música original de David Yazbek, a partir de um texto de Jeffrey Lane, trata-se de uma comédia alucinante, ambientada na fervilhante Madrid dos anos 80 do século passado, que segue três mulheres com terríveis males de amor.
Publicidade
  • Teatro
  • Lisboa
Escrita em 1879 pelo autor norueguês Henrik Ibsen, “não como uma peça de propaganda mas sim de verdades universais sobre a identidade humana”, esta é uma das mais importantes obras da história da literatura, unanimemente considerada como o texto que dá origem ao drama moderno. A acção acompanha a relação do casal Helmer, sobretudo a “viagem” interior que a mulher, Nora, percorre ao longo dos três actos e que a faz tomar consciência que a aparência da perfeição e da felicidade não são a perfeição e a felicidade. 
  • Arte
  • Estrela/Lapa/Santos
O fotógrafo e artista multimédia taiwanês Chou Ching-hui inspirou-se no enclausuramento de um jardim zoológico para fazer uma crítica social “às gaiolas invisíveis da vida moderna”, lê-se no texto de parede da exposição “Animal Farm” (que apesar de ter o nome da obra de George Orwell não se inspira nela). Durante cinco anos, Chou Ching-hui criou cenários surrealistas e teatrais que mostram os excessos e as contradições da sociedade actual e revela-os agora na forma de fotografias de grande escala, retratos, vídeos e instalações artísticas que se estendem em duas galerias do piso térreo do Museu do Oriente. É a primeira apresentação da exposição “Animal Farm” na Europa, depois de já ter passado por Israel. 
Publicidade
  • Coisas para fazer
  • Exposições
  • São Sebastião
Vinte e um artistas plásticos europeus com origens familiares nas antigas colónias em África refletem sobre as suas heranças, as suas memórias e as suas identidades. É este o ponto de partida para a exposição que ocupa a Galeria Principal da Fundação Gulbenkian, e que inclui 60 obras de pintura, desenho, escultura, filme, fotografia e instalação. 
  • Arte
  • Arte ao ar livre
  • preço 0 de 4
  • Marvila
O que é que a pintora Paula Rego, a cantora e compositora Carolina Deslandes, o cartoonista e humorista Hugo Van der Ding e a cozinheira Filipa Gomes têm em comum? Estão nas paredes de Marvila até 2 de Setembro. A POSTER MOSTRA está de volta para a sétima edição e junta as criações em formato poster destes e de muitos outros artistas, além dos 10 vencedores da Open Call. 

Lisboa bairro a bairro

  • Coisas para fazer

Foi no Príncipe Real que se instalou a nova dinastia da restauração lisboeta, para comer como um príncipe, os terraços para beber copos se multiplicaram e as concept stores apareceram porta sim, porta não. Sem esquecermos os nomes sonantes que, num cirandar constante, também têm poiso no bairro, do chef Kiko aos designers Lidija Kolovrat ou Nuno Gama. 

  • Coisas para fazer

Clássicos de sempre e espaços que ainda cheiram a novo. Padarias, gelatarias, um café italiano e até um restaurante de choco frito. Mas há muito mais que comida. Percorra as ruas do movimentado bairro em busca do melhor de Campo de Ourique.

Publicidade
  • Coisas para fazer

Arena de piqueniques, megapavilhão polidesportivo sem tecto, destino de eleição para apreciadores de baloiços e escorregas, Monsanto é muito mais do que aquele lugar onde se vai uma vez por ano a um casamento.

  • Coisas para fazer

Até há pouco tempo, era o ponto cardeal mais desprezado de Lisboa, mas, lentamente, começa a ganhar vida e pontos de interesse. Eis uma longa série de desculpas para rumar ao bairro da moda e descobrir Marvila. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade