2018
©Miguel MansoMuito Bey

Mesas da semana: 20 grandes restaurantes para todos os gostos

Cozinha portuguesa, mexicana, francesa, chinesa, japonesa. Estes 20 grandes restaurantes servem todos os gostos.

Publicidade

Estes 20 grandes restaurantes estão todos dentro da nossa caixa 2por1 Deluxe. Mas antes disso estão nas nossas listas obrigatórias. E aqui há de tudo para todos os gostos. É só escolher.

Mesas da semana: 20 grandes restaurantes

  • Libanês
  • Cais do Sodré
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Ezzat Ellaz fez muito bey e trouxe a comida libanesa para Lisboa, numa mistura de pratos principais grelhados, muitos pratos para partilhar e o bom pão manuché, achatado e caseiro. A melhor forma de ficar com um conhecimento geral desta gastronomia é pedir um menu de degustação para dois, com direito a duas saladas, três mezzes frios, dois quentes, um mix de espetadas e uma sobremesa. 

 

Fica meio escondidinho no Príncipe Real, a fazer jus ao seu popular prato de escondidinho de carne de sol, mas é um dos gigantes da comida brasileira em Portugal. É bem colorido e o atendimento caloroso,  à boa moda do país de origem, e servem-se aqui boas moquecas de camarão, feijoadas, xim-xim de galinha e, claro, quindins e caipirinhas.

 

Publicidade

A primeira esquina de Vítor Sobral, Hugo Nascimento e Luís Espadana, tem uma ementa fixa de petiscos e bons pratos de peixe e carne, tradicionais. Mas o menu que convida a ficar nas mãos do chef, com quatro, cinco, seis ou oito porções, é uma boa viagem de descoberta do restaurante.

  • Avenida da Liberdade/Príncipe Real
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Daniel Rente, o chef executivo à frente dos restaurantes do grupo SushiCafé, sabe-a toda: o menu aqui continua perfeito para quem gosta de sushi tradicional, com qualidade, mas também para quem gosta de arriscar e provar novas junções de sabores e peixes. Ao almoço há pratos especiais japoneses, como o Sukiyaki e o Dote Nabe, ao estilo fondue, e caixas recheadas com arroz e enguia de água doce.

 

Publicidade
  • Cachorros quentes
  • Cais do Sodré
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

A matéria-prima artesanal desta salsicharia, irmã mais nova do Kaffeehaus, vem de um talho em Viena, que pertence ao pai de um dos donos, e na ementa contam-se nove salsichas diferentes, todas com carnes, temperos e sabores diferentes. Para acompanhar, pickles, batatas wedges ou salada de batata e raiz de rábano. Há, também, panados de frango, escalopes na chapa, cogumelos ou berinjela em crosta de amêndoa e óregãos. Todos com nomes impronunciáveis, todos à boa moda vienense.

 

  • Avenidas Novas

O nome é para ler com sotaque açoriano: aqui provam-se peixes dos Açores (rascasso e lírio incluídos), mariscos e carnes nacionais. A transformação da matéria-prima faz-se para pratos portugueses e japoneses, sejam criações originais, seja num prato de sushi combinado, seja num bom grelhado. 

 

Publicidade
  • Sintra
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

O Arola, o primeiro poiso de Sergi Arola no Penha Longa, é o seu restaurante mais descontraído, para jantares ou almoços ao ar livre. Há tapas quentes e frias e petiscos ibéricos – as batatas bravas, servidas como canudinhos de batata com aioli e tomate picante, são já um clássico. 

 

Sea Me - Peixaria Moderna
Sea Me - Peixaria Moderna

Tem uma montra de peixe fresco à altura da designação de peixaria moderna. A oferta de marisco, em parte de viveiros próprios, compõe uma ementa que serve desde o peixe grelhado ao marisco cozido, petiscos criativos e pratos japoneses. O niguiri de sardinha, assado com flor de sal, petisco-estrela de muitas edições do Santo António a la Time Out, é imperdível.

 

Publicidade
  • Português
  • Carnide/Colégio Militar
  • preço 3 de 4
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

O restaurante ganhou notoriedade na Serra D’Ossa, terra da dona Gertrudes, que trouxe todas as especialidades para a capital, da sopa de cação aos pezinhos de porco de coentrada, arroz de pombo bravo e ensopado de borrego. Agora é Henrique Galito que está à frente da casa e vale a pena ir ouvir as suas histórias. Rape o fundo ao tacho para chegar a ver os galitos desenhados no fundo.

  • Japonês
  • Cais do Sodré
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

A equipa da Confraria trouxe para o piso térreo do Lx Boutique Hotel, no Cais do Sodré, as melhores receitas da casa, do sushi tradicional às especialidades de fusão, com grande variedade de saladas para quem é menos fã do clássico japonês. 

 

Publicidade
  • Português
  • Estrela/Lapa/Santos
  • preço 2 de 4
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Fica num dos bairros históricos de Lisboa, que ainda tem o espírito de outros tempos, e serve boa comida portuguesa, para partilhar, a preços simpáticos e com serviço atencioso. Comece nas tibornas para dividir, siga para os petiscos e só depois os pratos principais. É tudo feito com ingredientes frescos do dia, por isso a carta está sempre a rodar.

 

  • Português
  • Chiado/Cais do Sodré
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Todos os pratos desta casa, pequenina mas com uma cozinha consistente, têm um elemento fumado, seja entrada ou sobremesa. Prove as batatas do vovô, os legumes grelhados com búfala e o frango fumado em barrica de whisky. Mas guarde espaço para os sonhos de bacon com espuma de cardamomo. 

Publicidade
  • Areeiro/Alameda
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Não é só pela sopa de santola, servida na casca do bicho, ou pelo bom cozido servido aos domingos nos meses frios que deve fazer uma visita ao Nobre – mas também. A cozinha de veia transmontana da chef Justa Nobre é consistente e o serviço é familiar. Aos almoços, de segunda a sexta, há menu executivo. Se for de aventuras, deixe-se ficar nas mãos da chef, com o menu de degustação de 10 momentos. 

 

  • Pan-africano
  • Castelo de São Jorge
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Não há como sair infeliz do Cantinho do Aziz (a não ser que abuse do picante, e mesmo assim há quem garanta que essa é a maneira de ser ainda mais feliz). Comece pelas chamuças e depois siga para um seguro caril de caranguejo ou muamba de galinha, ou arrisque um nhama (carne de vaca com mandioca e quiabos) ou o makoufe (uma mistura de couves em molho de amendoim e coco com gambas e pata de caranguejo).

Publicidade
  • Francês
  • Chiado
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Um verdadeiro bistrot para nos fazer sentir na Cidade Luz. Há vários enchidos caseiros para abrir as hostilidades e bons fromages, mas a sopa de cebola gratinada, uma receita caseira, e o confit de canard, são imperdíveis. Termine, claro, com um crème brulée.

 

  • Mexicano
  • Cais do Sodré
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

Não desista quando chegar e vir a infindável lista de nomes em espera à porta – no Pistola y Corazón, vale sempre a pena. Os vários tacos, os diferentes níveis de picante, as já populares tortas com recheios diferentes e os cocktails
são os culpados.

 

Publicidade
  • Japonês
  • Marvila
  • preço 3 de 4

Este japonês de linhas mais tradicionais usa vários peixes dos Açores, como o lírio, o encharéu e o pargo, em chirashi, sashimi ou outros combinados de sushi. Peça uma sakerinha de ananás dos Açores e no fim brinde e diga “Kampai”, que é como quem diz, em japonês, tchim-tchim. 

 

  • Chinês
  • Parque das Nações
  • 5/5 estrelas
  • Recomendado

Este não é um restaurante chinês qualquer – é especialista na gastronomia da província de Sichuan e muitos dos pratos têm ma la, uma mistura de várias malaguetas e pimenta da região. O pato à Pequim é um clássico se for em família mas se for de experimentar coisas novas vá para o peixe assado picante. 

 

Publicidade
  • Tailandês
  • Campo Grande/Entrecampos/Alvalade
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado

O que não falta na cidade agora são restaurantes asiáticos, mas a Sala Thai, nas traseiras do C.C. Roma, dedica-se exclusivamente à gastronomia exótica tailandesa. Há pastéis de peixe com especiarias, a mais tradicional sopa tom yum e a sobremesa que mais se vê nas ruas do país, o arroz glutinoso com coco e manga.

 

  • Cafés
  • Chiado
  • 5/5 estrelas
  • Recomendado

Há seis tipos diferentes de salsichas – a especialidade da casa é a kasekrainer, fumada e recheada com queijo emmental – mas a viagem pela gastronomia austríaca vai muito além das salsichas e dos bifes panados. No que toca a sobremesas, as principais são a sachertorte ou o apfelstrudel. É tudo recomendável, incluindo os quatro menus de brunch. 

 

Os melhores restaurantes em Lisboa

José Avillez, Henrique Sá Pessoa, Alexandre Silva e Miguel Rocha Vieira são alguns dos melhores chefs da cidade e estão à frente destes restaurantes de cozinha de autor em Lisboa. Estendam a passadeira vermelha, que os pratos que aqui desfilam são de assinatura e dignos de paparazzi. 

Foi um ano em que Lisboa ganhou muita comida do mundo e em que a cozinha de autor continuou a crescer na cidade. Não se perca no arquivo da Time Out nem em pesquisas na internet: lembramos-lhe so essencial dos melhores novos restaurantes de 2017 em Lisboa e ainda recuperamos o que os críticos Alfredo Lacerda e Marta Brown disseram sobre alguns deles.

Recomendado
    Também poderá gostar
    Também poderá gostar
    Publicidade