A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Sky bar by seen
©Duarte Drago

Não olhe só para o prato nestes restaurantes com vista em Lisboa

Uma refeição a olhar para o Tejo ou para a cidade. Estes restaurantes com vista em Lisboa alimentam o corpo e a alma.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

O prato é tudo, mas se vier acompanhado de uma vista para admirar nos intervalos entre garfadas melhor. E boas vistas são o que não falta a esta cidade com as suas sete colinas, de onde é possível olhar a cidade em todo o seu esplendor, com os seus monumentos e praças cheias de gente. E se formos até Belém ou até à Margem Sul, a deslumbrante vista para o rio e para a outra margem faz-nos suspirar. Se há coisa que não falta a esta cidade são vistas e restaurantes de tirar o fôlego.

Recomendado: Os melhores novos restaurantes em Lisboa

Nos restaurantes com vista em Lisboa não olhe só para o prato

  • Restaurantes
  • Gastropubs
  • Grande Lisboa
  • preço 2 de 4

O Altis Avenida aproveitou a expansão do hotel para criar uma nova esplanada lá no alto, com cadeirões confortáveis com vista sobre a praça do Rossio, para o Castelo, Elevador de Santa Justa e o rio lá ao fundo. Fica no sétimo piso e é um gastrobar, um bar com uma proposta de comidas um bocadinho mais trabalhada, com produtos da estação e maioritariamente portugueses, com a assinatura dos chefs João Rodrigues e João Correia. 

  • Restaurantes
  • Haute cuisine
  • Parque das Nações
  • preço 4 de 4

O primeiro restaurante de Martín Berasategui, o chef espanhol com mais estrelas Michelin, em Lisboa, fica no topo da Torre Vasco da Gama, no hotel Myriad by Sana, e o nome faz jus à subida: do sopé até à sala demoramos exactamente 50 segundos. Lá em cima, vista 360º (parte da experiência é também a visita à cozinha, que com jeitinho permitem), dois menus de degustação (e escolha à carta) para uma viagem de três horas, no mínimo, pelos clássicos de Berasategui em parceria com o chef executivo Filipe Carvalho.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Chiado
  • preço 4 de 4

Vincent Farges abriu, em Maio de 2018, o primeiro restaurante em nome próprio em Lisboa. Tem uma cozinha com grandes janelas viradas para o Largo da Academia Nacional de Belas Artes, térrea, e três salas distintas no interior, altas, com uma vista incrível para o rio Tejo. O chef francês descreve este como um restaurante gastronómico “depurado”. Trabalha com pequenos e grandes produtores, com uma relação de grande proximidade, e depende completamente deles – a carta tem sempre três entradas, uma com elementos de água, outra de horta e uma terceira de terra; três pratos principais, do mar ou do rio, do campo e recordações de receitas familiares; e três sobremesas, uma com chocolate, outra com fruta e uma vintage. 

  • Restaurantes
  • Avenida da Liberdade

Esqueça tudo o que sabe sobre o histórico Terraço, o restaurante do 9º piso do hotel Tivoli Avenida. Há uns anos, o restaurante mudou das mãos do chef Rui Paula, que esteve um ano a chefiar a cozinha, para as de Olivier Costa, que abriu o Seen, um conceito já testado em São Paulo, no Brasil. É bar e restaurante, com uma certa tropicalidade logo à entrada, onde está um imponente tronco de árvore natural dentro do bar, com folhas artificiais a cobrir boa parte do tecto, e tem uma vista incrível. 

Publicidade
  • Restaurantes
  • Italiano
  • Princípe Real
  • preço 2 de 4

A versão portuguesa do restaurante italiano de Jamie Oliver tem três pisos, com direito a sala privada no -1, e dois terraços com vistas incríveis para o castelo, seguindo, em termos de decoração, a mesma linha dos restaurantes Jamie’s Italian – presuntos e alhos pendurados no bar, à entrada, e decoração em madeira, azul e cobre. A carta é grande, tem o nome dos pratos em inglês para “preservar o espírito britânico" e faz referência aos “mais famosos” ou aos favoritos de Jool, a mulher de Jamie Oliver. 

  • Restaurantes
  • Asiático contemporâneo
  • Estrela/Lapa/Santos
  • preço 3 de 4

O grupo Zazah, do restaurante de cozinha internacional para partilhar do Príncipe Real, abriu no último piso do LACS Community of Creators, no Cais da Rocha Conde de Óbidos, um restaurante de inspiração asiática, com pratos como as amêijoas garam masala. O espaço era tão grande que os donos o dividiram em dois: do outro lado há um bar com petiscos, o Zazah Good View. A vista é 360 sobre a cidade e até os contentores coloridos ajudam a compor o cenário.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Belém

A ciência não está só nos laboratórios do edifício da Fundação Champalimaud. Está também no restaurante, se atentarmos no nome, nas paredes onde há frases do cientista e até na falsa biblioteca. A Fundação Champalimaud já é envolvência arquitectónica que justifique o comentário "rica vista". Mas há mais: de lá de dentro vê-se o rio de uma perspectiva única. As massas e risotos são os pratos fortes, mas há que dar um olhinho às opções de inspiração lusa, como os Brás, as bochechas ou as costelas de cordeiro sobre migas.

  • Restaurantes
  • Belém

À beira rio plantado, o Espaço Espelho d'Água é um restaurante com vista privilegiada para o Tejo, onde os sabores do Ocidente e Oriente se fundem numa cozinha que faz uma releitura de pratos clássicos portugueses, brasileiros, africanos e asiáticos. Além do restaurante há uma cafetaria onde pode fazer refeições mais rápidas. 

Publicidade
  • Restaurantes
  • Italiano
  • Belém

O grupo Sana renovou os edifícios da antiga discoteca BBC e do Piazza di Mare, na vizinhança do MAAT. No espaço da BBC nasceu um local para receber grandes eventos privados e festas temáticas, o SUD Lisboa Hall; no Piazza di Mare está o Sud Lisboa Terrazza, com uma piscina e pool bar à noite no primeiro andar, e um restaurante com dois espaços diferentes, esplanada e quiosque no rés-do-chão. A sala do restaurante é gigante – são 240 lugares e cerca de 30 pessoas na cozinha. À entrada há um forno com os pizzaiolos ao lado e um bar onde se bebe qualquer coisa enquanto se espera ou se faz tempo até ao jantar; há uma sala com um ambiente mais calmo e recolhido e outra com muita luz e com o tecto coberto de folhas. 

  • Restaurantes
  • Português
  • Santa Maria Maior

É o rooftop mais simples e barato da cidade, já que todos os outros estão provavelmente tomados por cocktelaria sofisticada, petiscos internacionais ou reinterpretações dos nacionais. Aqui come-se prato do dia e sobremesa (incluem-se bolinhos caseiros) por menos de sete euros é comida de cantina, sim senhor, mas com a melhor vista que uma cantina pode ter em dias de sol: em pleno Chiado, deixa ver o rio e a outra margem.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Petiscos
  • Lisboa

O hotel Torel Palace tinha já uma cave – a Cave 23. No Verão de 2017 permitiu que se fizesse luz: formalizou-se o terraço e a vista sobre o rio e a Baixa como lugar de petiscos e pratos para partilhar com o Terraço 23. A vista apanha de um lado um palácio e do outro a baixa pombalina.

  • Bares
  • Parque das Nações

O Tivoli Oriente desempoeirou o terraço e abriu um Sky Bar no 16.º piso do hotel – é mais alto que o da Avenida da Liberdade (que fica no 9.º andar), tem vista desafogada para o Tejo e ponte Vasco da Gama (com o Montijo e Alcochete ao fundo), petiscos, combinados de sushi de fusão e cocktails. 

Publicidade
  • Restaurantes
  • Global
  • Chiado/Cais do Sodré

O palacete em pleno Miradouro de Santa Catarina (Adamastor, para os mais íntimos) foi todo renovado para se transformar no luxuoso Verride Palácio Santa Catarina. No último andar tem um pequeno miradouro com vista sobre toda a cidade. Literalmente: são 360º, com o rio e a margem sul de um lado e Lisboa do outro. É mesmo lá ao lado que fica o Suba, o restaurante que mistura fine dining e comida para partilhar. 

  • Restaurantes
  • São Sebastião

Joachim Korper é a cabeça do restaurante estrelado desde o primeiro dia. É um defensor acérrimo da sazonalidade e não há estação em que a ementa não receba um extreme makeover, sempre surpreendente. Pode almoçar e jantar à la carta, atirar-se a um menu de degustação ou perder a cabeça e pedir o menu lavagante, com o marisco presente do princípio ao fim. Peça uma das mesas junto à janela e aproveite aquela que é uma das melhores vistas sobre Lisboa. 

 

Publicidade
  • Restaurantes
  • Grande Lisboa

Há muito tempo que estava prometido e era só o que estava a faltar num dos museus mais badalados de Lisboa: um restaurante. Depois da cafetaria que abriu no final do ano passado, é a vez do maat Kitchen receber clientes. O restaurante é do Grupo Mercantina, mas distingue-se pela aposta no fine dining. Se de um lado fica o maat Kitchen, do outro fica o maat Café e o Riverside Bar & Bistro, que ocupa o lugar da cafetaria depois das 18.00, estando os dois espaços divididos apenas por um balcão e um jogo de cores. Mas é para o restaurante que se viram as atenções. Natanael Silva é o chef executivo e Bruno Salvado o chef residente e o menu divide-se entre pratos para partilhar, carne, peixe, arrozes e brasa, tudo dentro da gastronomia mediterrânica.

  • Bares
  • Chiado/Cais do Sodré

Viraram o edifício do avesso, mas nada. “Sabemos que a família se chamava Robert e deixou a França, nos anos 20, para vir abrir uma perfumaria em Lisboa. Na cave funcionava a fábrica e tinham também uma loja no Chiado onde vendiam os produtos. A marca dos perfumes foi o único elemento que ficou por descobrir”, explica Liliana Ferreirinha, a responsável pela comunicação do restaurante, bar e terraço do hotel Monte Belvedere. O último piso do hotel  tem uma vista privilegiada sobre o Tejo e sobre os barcos que por ele passam.

 

Publicidade
  • Restaurantes
  • Alfama
  • preço 3 de 4

Foi em 2020 que a chef Marlene Vieira abriu este projecto grandioso no Terminal de Cruzeiros de Lisboa, com uma esplanada bem vistosa. Aqui há espaço para a alta-cozinha a preço mais acessível, com uma carta bem composta de pratos para partilhar. Todos os dias há um prato e uma salada do dia, podendo também optar por uma degustação com escolhas da chef. As técnicas são do mundo, mas os ingredientes e os sabores são bem portugueses.

Restaurantes do mundo em Lisboa

  • Restaurantes
  • Italiano

Do risotto e das pizzas em forno de lenha à massa fresca, não esquecendo a burrata, o tiramisù e as bebidas típicas, como o limoncello, o aperol ou o negroni. Os portugueses ainda dizem "ciao" e "prego" à gastronomia vinda de Itália, que continua a ser uma das favoritas e indispensáveis na oferta da cidade. Prova disso são os vários restaurantes italianos em Lisboa que apareceram nos últimos tempos e aos quais não faltam clientes, ansiosos por uma boa dose de hidratos de carbono. Os que encontra nesta lista são os que abriram no último semestre e que merecem uma visita. 

  • Restaurantes

Cura para constipações e ressacas, aconchego em dias frios, complemento em dias quentes, comida de conforto. O ramen ganhou espaço na cena gastronómica lisboeta e há cada vez mais sítios que o fazem – e bem feito – pela cidade. Alicerçado num caldo consistente, feito com carne de porco, vaca ou peixe, ao qual se juntam vegetais, ovos, legumes e claro, os noodles, o prato de consumo fácil, mas de preparação complexa parece ter conquistado o coração e estômago de muitos alfacinhas. A lista que se segue mostra-lhe quais os melhores sítios para comer ramen em Lisboa.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade