Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right 101 coisas para fazer em Lisboa com crianças

101 coisas para fazer em Lisboa com crianças

Enfie a família toda no carro e parta à descoberta do que a cidade tem para oferecer aos mais novos. São 101 coisas para fazer em Lisboa com crianças – todas elas bem divertidas também para os pais.

parque da serafina
Fotografia: Manuel Manso Hellopark
Publicidade

Para todas as idades e para todos os gostos, o que não faltam são coisas para fazer com a canalha em Lisboa. Faça chuva ou faça sol, não há desculpas para ficar em casa a virar o quarto dos brinquedos do avesso ou a fazer maratonas televisivas:há museus onde os mais novos são sempre bem-vindos, restaurantes com aqueles pratos que ele nunca recusam, lojas para grandes compras XS, quintas pedadógicas para ir ao campo sem sair da cidade, livrarias com histórias e ilustrações de sonho e dezenas de parques e jardins para lhes gastar a energia num instante. Enfie os miúdos na bagagem e parta à descoberta do melhor de Lisboa para crianças. 

Recomendado: As melhores coisas para fazer com crianças este mês

101 coisas para fazer em Lisboa com crianças

1
Museu nacional dos coches
©MNCoches
Museus

Perceber como eram os carros dos reis no Museu dos Coches

icon-location-pin Belém

Casa nova, vida nova. Mas uma coisa não mudou: o Museu dos Coches continua a ser ideal para um programa em família, e não é só por ter um desconto de 50% quando o número de elementos ultrapassa os quatro. Se o seu filho é louco por carros, mostre-lhe que nem sempre tiveram mudanças, vidros automáticos e colunas de som com subwoofer. Os coches em exposição neste museu atravessam as várias épocas da história de Portugal e são o suficiente para que os mais novos deixem de olhar para cavalos apenas como a potência do motor. Entre as actividades paralelas às visitas tradicionais estão workshops como o de técnica de douramento (sim, no tempo dos reis, os coches eram pintados a ouro de verdade).

+ O Museu dos Coches em números

2
Kidzania-cabeleireiro
©Patrício Miguel/Kidzania
Miúdos

Brincar aos crescidos na Kidzania

icon-location-pin Grande Lisboa

"O que queres ser quando fores grande?" Se o miúdo nunca sabe o que responder, leve-o a este parque temático, onde ele poderá brincar aos crescidos. Há mais de 60 profissões por onde escolher numa cidade em ponto pequeno, mas com tudo o que as grandes têm: aeroporto, fábricas, teatro, lojas, esquadra da polícia, bombeiros e até um estádio de futebol.  

Publicidade
3
Exposição Risco no Pavilhão do Conhecimento ( 2016)
©DR
Museus, Ciência e tecnologia

Despertar o cientista maluco que há dentro de cada um de nós no Pavilhão do Conhecimento

icon-location-pin Parque das Nações

Ser astronauta por um dia, andar num carro com com rodas quadradas, ou descobrir a cozinha molecular. Fascinante para miúdos, o Pavilhão do Conhecimento corre o risco de ser surpreendente também para os mais crescidos. O museu da ciência nascido em 1999 no Pavilhão do Conhecimento dos Mares da Expo 98 vive num edifício desenhado pelo arquitecto Carrilho da Graça e acolhe uma exposição permanente empolgante para miúdos com tiques de engenhocas e várias exposições temporárias perfeitas para futuros cientistas. 

Publicidade
5
frederico morais
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer, Eventos desportivos

Aprender a surfar com o melhor na The Blue Room

icon-location-pin Cascais

É o maior ídolo daqueles miúdos que nem no Inverno querem tirar os pés da areia e quando não está a apanhar ondas à volta do mundo está na The Blue Room, que é muito mais do que uma escola de surf. O espaço que Frederico Morais, aka Kikas, abriu com três amigos no Verão de 2017 fica em São João do Estoril, com uma sala azul perfeita para os aficionados da modalidade verem os circuitos internacionais de surf e saberem mais sobre a modalidade. 

6
Quinta Pedagógica Armando Villar
Fotografia: Ana Luzia
Miúdos

Ir ao campo sem sair da cidade nas quintas pedagógicas em Lisboa

Entre os arranha-céus e a poucos quilómetros das avenidas cheias de trânsito, há espaços verdes com animais do campo, hortas biológicas e actividades rurais, como a lavoura ou fazer pão em forno de lenha. Se os seus filhos pensam que o leite nasce no pacote e que a fruta vem do supermercado, leve-os a uma quinta pedagógica. No fim, difícil vai ser "regressar" à cidade. 

Clique em "Ler mais" para descobrir as melhores quintas pedagógicas em (ou perto de) Lisboa. 

Publicidade
7
Dormindo com os tubarões no Oceanário de Lisboa
©Pedro A. Pina
Atracções

Mergulhar de cabeça no Oceanário

icon-location-pin Parque das Nações

Num país com uma extensão de costa destas, e com uma tradição marítima que se perde nos tempos, era criminoso imaginar que o peixe só tem lugar no prato. Vai daí, em 1998 (é verdade, já foi em 1998) a exposição universal que aconteceu em Lisboa, no actual Parque das Nações, encontrou neste edifício um dos seus pontos altos. Pequenos e grandes visitantes encontram no Oceanário um gigante aquário com milhões de litros de água salgada e uma série de inquilinos para conhecer com entusiasmo, entre águas temperadas, tropicais e frias, porque o planeta faz-se de diversidade. Para além da recomendável romaria à exposição permamenente, conte com mostras temporárias e actividades originais: que tal dormir com os tubarões?

+ Oceanário de Lisboa eleito o melhor aquário do mundo

8
Projector final Planetário
©Bruno Neves/Planetário
Atracções

Ver estrelas no Planetário Calouste Gulbenkian

icon-location-pin Belém

Mesmo quando não há estrelas no céu, porque estão escondidas atrás das nuvens, há estrelas no Planetário. Na cúpula de 23 metros é possível ver constelações, luas, planetas, nebulosas, galáxias e outras coisas do infinito. 

Publicidade
9
News Museum - Apresentadora 2
©DR
Coisas para fazer

Fazer um directo no NewsMuseum

icon-location-pin Sintra

Já não há soldadinhos de chumbo ou Barbies no número 26 da Rua de Monserrate em Sintra, morada do antigo Museu do Brinquedo. No Newsmuseum há ecrãs gigantes para tocar e estúdios de rádio e televisão (com teleponto) onde se pode ser pivot, registar a gravação e levar para casa. Um alerta! Não lhes vista roupa verde. É a cor de fundo da parede e isso tem uma razão de ser: permite a sobreposição da figura da criança sobre imagens reais do acontecimento, a fingir um directo.

Este é um espaço interactivo, bem ao gosto dos miúdos. 150 anos de história mediática em Portugal são resumidos num filme de nove minutos, o espaço dedicado ao jornalismo desportivo tem um relvado, uma pista de tartan e cacifos com histórias lá dentro, e no átrio central, o desafio é espreitar o futuro – com o risco de enjoar se não apoiar as mãos. Coloquem os óculos de realidade virtual e descubram o que lá vem.     

10
Bounce lisboa
©DR
Coisas para fazer

Saltar no Bounce

icon-location-pin Grande Lisboa

Desde que abriu no fim de 2015, a palavra de ordem aqui é  “Tudo a saltar!” Aqui toda a gente salta nos mais de 100 trampolins e até já se inventou uma espécie de jogo do mata nas alturas, o dodgeball. Há trampolins para atletas e ginastas avançados (como os do Super Tramp, com cinco por cinco metros), mas também zonas reservadas aos mais novos: no miniBOUNCE brinca-se a saltar. 

Publicidade
11
Tempos Modernos
©DR
Miúdos, Eventos cinematográficos

Ver filmes clássicos na Cinemateca Júnior

icon-location-pin Santa Maria Maior

Aqui, o ecrã é grande mas vive para os mais pequenos. A Cinemateca Júnior tem sessões de cinema com clássicos obrigatórios para qualquer cinéfilo em potência, além de ateliês relacionados com o cinema mudo, a lanterna mágica ou a câmara escura e visitas guiadas ao Museu do Cinema. Todos os fins-de-semana há "O Sábado em Família", com a exibição de um filme de qualidade.    

+ Filmes de animação que ganharam um Óscar

12
Cavalinho tradicional na Quer
©DR
Miúdos, Vendas

Comprar um cavalinho de madeira na Loja Quer

icon-location-pin Princípe Real

É uma das lojas de brinquedos mais encantadoras da cidade e não conquista apenas os mais novos com os seus cavalinhos de baloiço de todas as cores, à antiga e de madeira, asas de tecido para lhes pôr às costas, livros da Planeta Tangerina, tambores de cortiça e pássaros para pendurar no tecto. Também os adultos não se importavam de viver lá dentro, como os ratinhos de pano nas suas caixas de fósforos. Um mundo encantado em pleno Príncipe Real.

+ As melhores lojas de brinquedos em Lisboa 

Publicidade
13
Hippotrip
© Arlindo Camacho
Atracções

Entrar pelo rio adentro no Hippotrip

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Quer andar armado em turista com a família mas a ideia de um city tour aborrece-o de morte? Embarque no Hippotrip e, depois de circular pelas ruas da cidade a ouvir histórias e lendas com piada, entre pelo Tejo adentro. Isso mesmo: este é um autocarro que também é um barco, o que faz com que, às tantas, mergulhe no rio, ao som da banda sonora de 2001, Odisseia no Espaço. Nunca os mais novos (e os mais velhos) viram a Torre de Belém, os Jerónimos ou o Padrão dos Descobrimentos desta perspectiva.  

14
Playprincess da PlayBowling de Cascais
Fotografia: Ana Luzia
Miúdos

Ser princesa por um dia na Playprincess

icon-location-pin Cascais

Cor-de-rosa, cor-de-rosa, cor-de-rosa. Uma overdose de cor-de-rosa. Para miúdas com tiques de princesa, o Playbowling de Cascais oferece um paraíso que inclui manicure, pedicure, passagem de modelos, pinturas faciais, massagens e penteados num ambiente onde não faltam plumas, roupões, tiaras, varinhas de condão e saias de tule farfalhudas. Uma espécie de spa para miúdas de palmo e meio onde praticamente tudo é cor-de-rosa (já tínhamos dito?) – incluindo o cabelo das funcionárias.

Publicidade
15
Ohficina
Miúdos, Eventos activos

Espantar-se na OHficina - Laboratório de Materiais Improváveis

icon-location-pin Cascais

Uma antiga estufa no meio do Parque Marechal Carmona, em Cascais, foi transformada por duas educadoras de infância, Maria Peres e Joana Quadros, numa oficina em que procuram aliar três forças poderosas: a educação, a sustentabilidade ambiental e a arte. O conceito é simples: o que para outros é lixo, aqui é matéria-prima – quer se trate de madeira, alumínios, plásticos, tecidos ou papel. Neste laboratório de materiais improváveis, armazenam, experimentam e oferecem esses materiais, depois de devidamente trabalhados. A oficina está aberta a todos, seja durante a semana (com marcação pelo 91 483 8321 ou ohficina.pt@ gmail.com), quando recebem escolas e visitantes e estes podem escolher o material com que vão trabalhar, seja aos fins-de-semana nos workshops que dinamizam para famílias, com uma temática mensal.

Apesar de receberem pessoas de todas as idades, Maria e Joana acreditam que é junto das crianças que podem fazer maior diferença, uma vez que o contacto com estes materiais e técnicas improváveis desenvolve competências que não são trabalhadas no ensino tradicional, como o sentido crítico, a atenção ou a autonomia.

16
Cafetaria Village Underground
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Almoçar dentro de um autocarro no Buzz Lisboeta

icon-location-pin Alcântara

A cafetaria do Village Underground é agora o Buzz Lisboeta e tem outro homem do leme, Frederico Nobre Leitão. Ainda há brunch ao fim-de-semana, agora com o pão da Gleba. São permitidas bolas, bicicletas e patins, há por ali um baloiço, uma cama de rede e, aos domingos, muitas vezes há até um insuflável para saltar. O espaço assume-se também como “pet friendly”: as crianças podem trazer os animais, desde que não se esqueçam da trela. Ao longo do ano, há actividades para os mais novos, feiras e mercados, algumas com pinturas faciais, animadores e outras atracções.

Publicidade
17
Vertigo Climbing Center
© Diogo Garcia
Desporto, Alpinismo

Subir às paredes no Vertigo Climbing Center

icon-location-pin Marvila

Com o primeiro rocódromo de Lisboa nunca foi tão fácil subir paredes. Este espaço dedicado à prática de escalada indoor e tem uma área escalável de 300 m2, conta com um café e uma esplanada com vista para o rio, um ginásio e uma loja com tudo o que é preciso para escalar com segurança. Se ainda assim for preciso uma ajuda extra, pode sempre inscrever-se num dos cursos disponíveis.

18
A Cidade dos Animais
Compras, Livrarias

Brincar aos livros na Baobá

icon-location-pin Campo de Ourique

Muito mais do que uma livraria, a Baobá, em Campo de Ourique, é um paraíso da iustração. Não lhe faltam encantos para os mais velhos, mas são os miúdos que lá encontram actividades regulares, como oficinas de ilustração e jardinagem, horas do conto, sessões de poesia ou peddy-papers – sempre com as publicações de editoras como a Orfeu Mini, a Pato Lógico, a Tcharan, a Bruaá, a Planeta Tangerina ou a Kalandraka como pano de fundo. 

+ Livrarias para crianças que tem mesmo de visitar

Publicidade
19
concerto para bebés, olga cadaval
© Mafalda Melo
Arte

Ser um recém-nascido erudito no Centro Cultural Olga Cadaval

icon-location-pin Sintra

No Centro Cultural Olga Cadaval, os concertos para bebés acontecem uma vez por mês, ao domingo, sempre da parte da manhã (a melhor altura para sair de casa, como todos os pais sabem), às 10.00 e às 11.30. Para as crianças mais pequenas há bilhetes-almofada, o que significa que quem pensou estes espectáculos conhece bem a inconstância da faixa etária dos três meses aos três anos. Não é possível prever se vão querer estar sentados, de pé, de gatas, ao colo, ou deitados. E dá sempre jeito uma almofada à mão. Os bilhetes para duas pessoas custam 17,50€ e em cada concerto há um solista convidado e uma história sonora contada de forma original. Fique atento ao programa.

20
duckstore
Fotografia: MG
Compras, Presentes e lembranças

Escolher um dos 180 patos de borracha da Lisbon Duck Store

icon-location-pin Santa Maria Maior

Por que é que quem passa à porta desta loja de souvenirs da Rua da Madalena, mesmo não sendo turista, não resiste a entrar? Talvez porque este não é um souvenir qualquer: é um dos brinquedos mais famosos do mundo e também um que é permitido a gente de todas as idades. Esta loja na Baixa dá-lhe uma boa desculpa para desatar a comprar patos de borracha. Muitos, dezenas, se quiser encher a banheira lá de casa. Há 180, todos diferentes. Encarnam personagens de banda desenhada, vilões, profissões, ícones culturais e até outros animais. E flutuam mesmo. A não ser os mais pequenos (porta-chaves) e os maiores, edições limitadas meramente decorativas. 

Publicidade
21
Museu da Farmácia
Fotografia:Ana Luzia
Museus

Entrar numa botica do século XVIII no Museu da Farmácia

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Não faltam motivos de interesse neste museu. Há o sarcófago de Irtierut, que morreu em 500 a 700 anos a.C. e está lá também uma taça de filigrana a guardar uma Pedra de Goa, feita de minerais preciosos e até raspas de corno de narval (“unicórnio”), usadas como antídoto contra a mordedura de serpentes. Além disso, os miúdos vão gostar de entrar numa botica (“Chamava-se assim, pai?”) do século XVIII e ver o estojo de Amundsen, que guarda uma infinidade de coisas: além dos 13 frascos de vidro (com morfina, aspirina, ópio, adrenalina, etc.), ainda tem lá dentro pinças, tesouras, uma caixa de agulhas de cirurgião e ligaduras de seda.

+ Sete coisas que aprendemos no Museu da Farmácia

22
Adventure Park
© Ana Luzia
Coisas para fazer, Caminhadas e passeios

Ser um Tarzan no Adventure Park

icon-location-pin Grande Lisboa

“Ó Pedro, não te empoleires no beliche que cais daí abaixo!”; “Ó Francisca, sai de cima do corrimão que ainda partes uma perna!”. Se os seus filhos passam a vida a trepar móveis e paredes, a felicidade deles tem um nome. O arborismo é muito mais do que andar de árvore em árvore feito Tarzan: dizem que aumenta a concentração, além de ajudar a superar as vertigens. O Adventure Park é um dos sítios em Lisboa onde os seus pequenos aventureiros podem fazer o gosto ao dedo (ao corpo todo, neste caso). Neste parque no Jamor os miúdos abalançam-se a uma densa floresta e sobem às árvores, num percurso onde também encontram túneis, escadas, redes e argolas. Isto enquanto os pais, cá em baixo, roem as unhas até ao sabugo. O circuito termina com um slide de oito metros mas não há nada a temer: cada criança é equipada com capacete e arnês. O percurso A Pequena Floresta é o programa ideal para festas de aniversário. Só tem de riscar os miúdos mais medricas da lista de convidados.

Publicidade
23
Casa do Futuro
©Museu das Comunicações
Museus, Ciência e tecnologia

Espreitar o futuro no Museu das Comunicações

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

A exposição permanente chama-se Casa do Futuro e é mesmo uma casa, com porta, cozinha e sala de jantar. Só que especial: a aplicação da robótica às exigências do lar – que se chama domótica – faz com que tudo aqui seja controlável a partir do exterior. Os miúdos podem imaginar-se de férias do outro lado do mundo, ao mesmo tempo que acendem as luzes ou mexem nas persianas da sua casa. Lá dentro, a mesa da sala tem um ecrã led que permite mudar a cor do tampo, o frigorífico lê códigos de barras para não deixar nada estragar-se e os armários abrem-se com cartões magnéticos. No fim desta viagem ao futuro, eles vão gostar de perceber o caminho percorrido até lá, desde os meios de comunicação mais antigos, como o excêntrico telégrafo. Aos sábados há workshops que incluem oficinas de televisão e espionagem com walkie-talkies. 

24
puzzle room
©DR
Coisas para fazer, Jogos e passatempos

Escapar de um escape room: o Puzzle Room

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Os escape rooms são um fenómeno que chegou a Lisboa há alguns anos e que tem vindo a conquistar muitos adeptos – seja para festas de aniversário, team building ou para passar uma hora divertida com amigos. Algumas destas salas têm programas pensados para os mais pequenos, como é o caso
da
Puzzle Room, com um desafio – o Assalto Júnior – para crianças dos 6 aos 14 anos (embora não devam jogar sozinhas:o conselho é que haja pelo menos um ou dois adultos no grupo). Elas terão de desvendar, no intervalo de uma hora, o que aconteceu a Porfírio Almeida, um famoso caçador de tesouros. Tudo começa com um misterioso telefonema... O preço do jogo é de 70€ (grupos de 2 a 7 crianças) ou 100€ (grupos de 8 a 10 crianças). O Puzzle Room abre, mediante reserva prévia, das 15:00 às 00:00 de segunda a sexta-feira e das 10:30 às 00:00 aos sábados, domingos e feriados.

Publicidade
25
 Teatro Luís de Camões
@Fernando Guerra
Miúdos

Despertar para o teatro no LU.CA - Teatro Luís de Camões

icon-location-pin Belém

Foi durante décadas a morada do histórico Belém Clube e acaba de ganhar uma nova vida. O Teatro Luís de Camões, na Calçada da Ajuda, chama-se agora LU.CA e é um espaço pensado em exclusivo para as crianças e o público jovem. Todo o programa foi desenhado e pensado pelo serviço educativo do Maria Matos, que passa agora a desenvolver aqui o seu trabalho, depois da reorganização dos teatros municipais levada a cabo pela autarquia. Tem programação o ano inteiro. 

26
parque da serafina
Fotografia: Manuel Manso
Miúdos, Parques infantis

Ir a um parque infantil que é adultos-friendly

icon-location-pin Benfica/Monsanto

À entrada do Parque da Serafina, em Monsanto, ergueu-se o Hello Park, um espaço onde não faltam actividades tão radicais como escalada ou slide. Foi pensado para crianças dos 4 aos 9 anos, mas desconfiamos que os pais também não vão querer de lá sair. A culpa pode ser da agradável esplanada The Green House, onde podem beber um cocktail ou comer uma refeição leve enquanto os miúdos gastam toda a energia a pular em insufláveis e a correr no meio da natureza. O  espaço é ideal para festas de anos, mas também para ir em família ou para eventos de escolas ou grupos. Afinal todas as desculpas são boas para respirar um pouco de ar puro no maior pulmão verde de Lisboa.

Publicidade
27
petit chef
©DR
Miúdos

Brincar com tachos no Petit Chef

icon-location-pin Oeiras

O Petit Chef foi criado há 10 anos pela chef Joana Byscaia, ainda antes de os programas de culinária serem o pão nosso de cada dia dos canais de televisão nacionais. A ideia é mais do que ensinar as técnicas básicas da cozinha: é conseguir introduzir os
bons hábitos alimentares na vida de quem frequenta estes workshops e ATLs. 

28
elétrico n 283 no museu da carris
©DR
Museus

Ver um autocarro de 1948 no Museu da Carris

icon-location-pin Alcântara

Os mais novos vão abrir a boca de espanto perante o mais antigo autocarro da colecção do Museu da Carris: é que o velhinho transporte, que se estreou em 1948 e só saiu de circulação nos anos 80, foi restaurado e voltou a surgir pintado com verde e branco original. Mas a história que ali se conta começa muito antes disso e há outras coisas para ver: coches, eléctricos, fotografias, uniformes, bilhetes antigos e até uma oficina de tipografia, com todos os equipamentos. 

Publicidade
29
Tapada De Mafra
© Arlindo Camacho
Atracções, Zoológicos e aquários

Viver a natureza na Tapada de Mafra

icon-location-pin Mafra/Ericeira

São 30 minutos dentro do carro e já está (o pesadelo do “sair de casa” não conta, porque é obrigatório, qualquer que seja o destino). Depois, há mais de mil hectares de verde para explorar, com uma fauna selvagem de gamos e veados, javalis, raposas, 60 espécies de aves e um sem-número de animais. Mas talvez seja boa ideia passar pelo site da Tapada Nacional de Mafra e chegar já com um plano mais ou menos delineado. Na hora, os miúdos vão ficar baralhados com tantas opções: passeios de BTT, visitas guiadas pela tapada num comboio de lata, passeios nocturnos, baptismos de cavalo, workshops de apicultura, aulas de tiro com arco... Além disso, há horários específicos e vai ter de lhes repetir mil vezes porque é o geocaching “agora já não dá”. Os bilhetes para o passeio pedestre custam 4€ e a viagem no comboio fica em 12€, mas há packs-família a permitir combinar várias actividades e até cestos de piquenique com o almoço já preparado – basta reservar na véspera (32€).

30
Mota antiga no Museu da Guarda Nacional Republicana
©Museu da Guarda Nacional Republicana
Museus, Militar e marítimo

Ver motas de outros tempos no Museu da Guarda Nacional Republicana

icon-location-pin Chiado

Se prefere não misturar miúdos e velocidade, visite um museu. O da Guarda Nacional Republicana reabriu em 2014 e vale a pena. Tem uma arca com as ossadas de D. Nuno Álvares Pereira e outros pormenores engraçados da história da guarda militar. Mas isso é só um extra... É que ali existem motas. Muitas motas. A mais antiga é uma FN de 1914, a evocar a Primeira Grande Guerra, e depois há a Subeam S7, de 1957, um espécimen que, segundo especialistas (especialistas a sério, adultos), merece ser visto. Diz que o modelo foi “desenhado por Erling Poppe, que se inspirou na BMW R75, mas que acabou por optar por um motor bicilíndrico em linha de 500 cc”. Estamos sempre a aprender.

Publicidade
31
Quinta Pedagógica Burros do Magoit
©Quinta Pedagógica Burros do Magoit
Miúdos

Andar de burro no Magoito

icon-location-pin Sintra

Nesta quinta também vivem póneis, coelhos, porcos, cabras e ovelhas, mas o nome não foi escolhido ao acaso: os burros (e as burras ou jumentas) são, de facto, os protagonistas. O projecto investe na preservação desta espécie em vias de extinção, dedica-se à asinoterapia – promovendo actividades com adultos e crianças com necessidades especiais –, e ainda explora as propriedades do leite de burra – que já Cleópatra sabia como ajudava a nutrir a pele – na área da cosmética. Durante a visita, os miúdos contactam com os animais e podem passear de burro (10€) ou dar uma volta pela aldeia do Magoito sentados numa charrete (10€). No picadeiro, podem passear em cima de um pónei (10€) e ainda ajudar a tratar e alimentar os animais.

32
Zona de laser tag da Fábrica 22
Fotografia: Ana Luzia
Miúdos

Dar tiros de laser na Fábrica 22

icon-location-pin Alvalade

Numa antiga fábrica de bolos, a Confeitaria da Ajuda, em Alvalade, já não se sente o cheirinho dos pastéis de nata acabados de sair do forno. Sente-se, sim, adrenalina em estado puro. Para os miúdos Schumacher, a escolha vai direitinha para as moto 4 e os krazy-karts. Outra das actividades com mais procura é o laser tag, cujo objectivo é eliminar os elementos da equipa adversária com réplicas de metralhadoras M16/M4. Os fãs do skate têm também um park coberto onde treinar os kickflips. Quando o corpo der sinais de cansaço, nada como relaxar na área de jogos, que inclui todo o tipo de consolas e matraquilhos, snooker e simuladores de condução. Durante as férias escolares há programas para as crianças que gostam de saltar olimpicamente sobre o descanso.

Publicidade
33
Jardim Zoológico de Lisboa
© Arlindo Camacho
Atracções, Zoológicos e aquários

Fazer parte da equipa de tratadores Zoo

icon-location-pin Sete Rios/Praça de Espanha

Que a visita ao Jardim Zoológico de Lisboa é obrigatória já toda a gente sabe. O que muitos não imaginam é que os mais novos podem juntar-se à equipa de tratadores e treinadores dos animais por um dia: o programa Sábados Selvagens, as festas de aniversário e os ateliers de férias incluem visitas aos bastidores e a possibilidade de tratar da bicharada.   

34
Museu Nacional de Arqueologia
©MNA IMC
Museus

Ver uma múmia de verdade no Museu Nacional de Arqueologia

icon-location-pin Belém

É uma múmia famosa e não é só por ter mais de 2000 anos. O único caso conhecido em todo o mundo de uma múmia a que foi diagnosticado cancro na próstata (uma descoberta de 2001) faz parte da colecção deste museu. E é também bom saber que os guerreiros galaico-lusitanos de granito, à entrada, datam do século I d.C. e são tesouro nacional. Há ainda mais para ver: máscaras funerárias, esfinges egípcias e achados nacionais de ourivesaria, numismática, vidro e escultura. 

Publicidade
35
Palace da Pena
@PMSL/Emigus

Explorar o palácio mais colorido: o Palácio da Pena

O amarelo, o vermelho e o cor-de-laranja contrastam com o verde da serra e o azul do mar: tudo antes mesmo de entrar no Palácio da Pena, em Sintra. Lá dentro, as divisões também são coloridas e levam-nos numa viagem ao tempo dos reis e das rainhas: no claustro, os azulejos formam padrões em tons de azul; nos aposentos da Rainha D. Amélia não faltam elementos decoraticos em tons de rosa; a cozinha real é dominada pelo bronze, com tachos e panelas de todas as formas e tamanhos.  

36
feiticeiro de oz pela byfurcação

Assistir a uma peça da Byfurcação

A expressão “Silêncio, que o espectáculo vai começar”, aqui, não se aplica. A Companhia Byfurcação tem queda para o teatro infantil e já levou ao palco textos clássicos como O Principezinho, ou, mais recentemente, O Feiticeiro de Oz. Em salas de espectáculos tradicionais ou em cenários improváveis como a Quinta da Regaleira, tem uma agenda preenchida. Use este cartão para comprar dois bilhetes pelo preço de um e silêncio, que o espectá... Ai, não, esqueça.

Publicidade
37
Vitamimos
©Vitamimos
Coisas para fazer, Aulas e workshops

Fazer o brunch para toda a família no Vitamimos

icon-location-pin Cascais

Este não é um brunch igual aos outros todos: por mais 5 euros, as crianças podem participar na confecção dos sumos, panquecas ou waffles e serem elas próprias a servir os pais. O Vitamimos é um centro de educação alimentar e o convite para “brincar aos restaurantes” integra o espírito da coisa. Ali fazem-se workshops de culinária infantil durante todo o ano, há festas de aniversário na cozinha e uma horta que também serve para aprender. Os menus de brunch são clássicos e saudáveis, com uma versão simples de pão, sumos, fruta e bolo e duas mais reforçadas, com direito a ovos mexidos e iogurte com muesli, quiches ou empadas. A esplanada fica num jardim e cá fora há uma cozinha montada à medida dos miúdos, só para brincar com terra. 

38
Castelo de São Jorge medieval
©DR
Atracções, Edifícios e locais históricos

Dançar no Castelo de São Jorge

icon-location-pin Castelo de São Jorge

A culpa é das enchentes de turistas, dos tuk-tuks, da falta de tempo – e no fim são os portugueses e sobretudo os lisboetas quem menos vezes sobe ao castelo. Mas (re) descobrir o bairro, apreciar a vista do miradouro e entrar nas muralhas é sempre uma aposta ganha, principalmente com os miúdos a reboque. O castelo foi reconstruído nos anos 40, mas podem esquecer por momentos essa informação para sentir a envolvência do espírito medieval. Aos domingos, há manhãs em família e o programa é ainda mais divertido. Artes bélicas e reconstrução de batalhas, jogos do antigamente – incluindo o quebra-bilhas e a vara cega – e danças do tempo de D. Manuel I alternam entre si. A entrada custa 8,50€ (grátis para menores de 10 anos) dá direito às actividades (com excepção dos jogos, 3,50€) .

Publicidade
39
hospital das bonecas
Fotografia: Arlindo Camacho
Museus, Infância

Fazer uma visita de médico (ou mais prolongada) ao Hospital de Bonecas

icon-location-pin Santa Maria Maior

Foi em 1830 que a D. Carlota abriu o Hospital das Bonecas – concertava e curava os males das amigas da miudagem, permitindo aos mais pequenos continuar a brincar ao faz de conta. Hoje, já não se concertam bonecas, mas ficaram as memórias de um tempo em que Lisboa era mais cor-de-rosa. O Museu não é só para crianças – os adultos também podem (e devem) viajar no tempo.

A Time Out diz
40
Brinquedo Capitão América
©DR
Compras, Presentes e lembranças

Levar um super-herói para casa na Capitão Lisboa

icon-location-pin Baixa Pombalina

Lancheiras do Darth Vader, mealheiros do Batman, garrafas de água em forma de Lego, Capitães América de papel para os miúdos montarem, réguas de madeira com o corpo de um crocodilo, cabeças de rena para pendurar na parede e dinossauros insufláveis. Tudo isto (e muito muito mais) se pode comprar na Capitão Lisboa, uma das lojas com mais sentido de humor da cidade. Quanto aos pais, escusam de ficar invejosos porque também vão encontrar neste espaço na Baixa brinquedos à sua medida. 

Publicidade
41
UPUP
Manuel Manso
Coisas para fazer

Pular no UPUP Park

icon-location-pin Cascais

São mais de 80 trampolins e nove actividades abertas para todas as idades. O espaço UPUP abriu em Maio em Rio de Mouro, Sintra. Mas se pensa que aqui é só saltar, engana-se. Há um espaço para praticar basquetebol e futebol e ainda um recinto dedicado ao dodgeball (o antigo jogo do mata). Há também uma zona de insufláveis e outra chamada de Saco no Ar, que conta com quatro pistas de aceleração, com um metro e meio de profundidade, permitindo o aperfeiçoamento da técnica do trampolim.

42
Museu do Oriente
©Museu do Oriente
Museus

Ir ao outro lado do mundo sem sair de Lisboa no Museu do Oriente

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

As vitrinas do Museu do Oriente albergam uma colecção de tesouros de além-mar e, até Dezembro de 2018, há um piso inteiro dedicado à ópera chinesa. Mas vale a pena parar uns minutos para observar os famosos biombos e as personagens ali retratadas. No livro Obras-Primas dos Biombos Namban, de Alexandra Curvelo, é descrita uma personagem sui generis. “O seu nariz era idêntico a uma concha […] agarrado como uma ventosa à cara. Os olhos eram tão grandes como óculos […] A sua altura excedia os sete pés e era todo preto; apenas o seu nariz era vermelho […].” Será que os miúdos encontram o padre Alessandro Valignano?

Fique atento à programação do museu, que nunca esquece oficinas do outro mundo para os mais pequenos. 

Publicidade
43
Espaço infantil da Casa Fernando Pessoa
©Casa Fernando Pessoa
Atracções

Criar um amigo imaginário na Casa Fernando Pessoa

icon-location-pin Campo de Ourique

Brincar aos heterónimos pode ser divertido, que o diga o serviço educativo da Casa Fernando Pessoa. Há oficinas para pais e filhos (ou tios e sobrinhos, avós e netos...) e para as férias da escola, ideais para miúdos que no Natal e nos anos só pedem livros, aos fins-de-semana só querem ler e nos centros comerciais só fazem birras dentro de livrarias.

44
Eléctrico de Sintra
Fotografia: Arlindo Camacho

Passear de elétrico até à praia das Maçãs

Devagar, devagarinho, o eléctrico imaginado em 1886 liga a serra ao mar em 12 km. O circuito entre Sintra e a Praia das Maçãs, que passa por Galamares e Colares, está parado durante o Inverno, mas volta a deslizar sobre carris na Primavera e é um passeio delicioso para os dias mais quentes. O arranque é junto ao MU.SA (Museu de Arte Moderna).

Publicidade
45
curso
Ilustração: José Carlos Fernandes
Coisas para fazer

Ser um pequeno yogui na Escola Sunshine Yoga

icon-location-pin Sete Rios/Praça de Espanha

Sabia que não há idade mínima para começar a praticar yoga? Na academia Sunshine Yoga, há aulas para bebés a partir dos dois meses. Os benefícios desta prática para crianças pequenas são muitos: desde promover um sono mais regular e tranquilo a desenvolver a confiança física e a consciência espacial, auxiliar o equilíbrio, a coordenação e as capacidades motoras enquanto estimula o cérebro e
as aprendizagens futuras. Os exercícios são sempre acompanhados com ritmos e canções de curta duração. Há tempo para massagens, reflexologia e para pais e bebés fortalecerem laços emocionais. Agarre no 
seu pequeno yogui e marque uma aula experimental.

46
Ler Devagar 2
Fotografia: Ana Luzia
Coisas para fazer, Eventos literários

Ver uma bicicleta a voar na Ler Devagar

icon-location-pin Alcântara

Quando abriu na Lx Factory, a Ler Devagar era a única em Lisboa da sua espécie. Espaçosa, com livros por todo o lado, dois andares, um café e vestígios da maquinaria da antiga gráfica. As singularidades mantêm-se e continua a ser a melhor livraria da cidade para se ter um bom tempo de leitura, ou de dois dedos de conversa, vá. Ah, e também para ver uma bicicleta a voar, como no E.T.

+ Coisas para fazer na LX Factory

Publicidade
47
baby liberdade
©DR
Compras

Ver as últimas tendências de high fashion na Baby Liberdade

icon-location-pin Avenida da Liberdade

Dolce & Gabanna, Versace, Ferrari e Roberto Cavalli. Das passerelles de Paris directamente para o armário… do seu filho. A Baby Liberdade é a loja infantil mais cara da cidade e não podia estar noutra rua senão nesta. Carteiras de verniz de 495 euros e vestidos de 780 fazem companhia a um enorme lustre branco, cor-de-rosa e azul.

48
Museu do Aljube
©ECML
Museus

Perceber a Ditadura no Museu do Aljube

icon-location-pin Santa Maria Maior

Salazar é já uma figura longínqua na memória dos mais novos, mas a história do antigo regime, ainda do tempo dos avós, faz parte das memórias dos pais, o que torna o Museu do Aljube, apesar de um programa pesado, uma boa sugestão para uma tarde de história em família. Aljube foi cadeia eclesiástica, presídio de mulheres e, a partir de 1928, destino de presos políticos e sociais. Ainda lá estão as celas exíguas, de um metro por dois, e o telefone do corredor, que anunciava a chamada dos detidos para os interrogatórios da PIDE. Perante o cenário 3D de uma reunião política clandestina, os miúdos mais curiosos vão ainda querer saber porque havia uma máquina de escrever protegida por uma espécie de caixa de madeira em toda a volta. Servia para redigir os panfletos da propaganda comunista e a protecção confirma o secretismo que rodeava o momento: era preciso abafar o som das teclas.

Publicidade
49
Vista do Arco da Rua Augusta
©ATL/Arco da Rua Augusta
Atracções

Ver a vista do Arco da Rua Augusta

icon-location-pin Baixa Pombalina

Um elevador e dois lances de escadas separam a rua mais movimentada da cidade do topo deste Arco triunfal, com uma vista de 360º sobre a cidade: o rio e a praça do Comércio de um lado, a cidade do outro. Leve os miúdos a um dos miradouros mais divertidos de Lisboa (até aos 5 anos eles não pagam) e não deixe de parar na Sala do Relógio, onde poderá ficar a saber tudo sobre a história deste monumento de 1875.

50
Pop up cereal
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Misturar flocos no Pop Cereal

icon-location-pin Bairro Alto

De certa forma, lembra o quarto de um adolescente. Não só pelo beliche ou pelas mesas coloridas, mas porque ao pé
de cada pessoa dos 13 aos 19 sentada num sofá de casa, há uma caixa de cereais ao lado aberta e uma tigela vazia com restos de leite à frente. Aqui há tudo isso elevado a mil. Caixas e caixas de variedades que um português só viu de visita ao estrangeiro, misturas explosivas para complementar com gomas ou M&Ms – e até os míticos freakshakes, batidos XXL que vale a pena dividir pelo agregado familiar inteiro. Leve os miúdos a tomar o pequeno-almoço a qualquer hora do dia e mate também saudades dos tempos de teenager.

Publicidade
51
Compras

Comprar brinquedos à antiga na Vida Portuguesa

icon-location-pin Chiado

Não é uma loja de crianças, mas tem alguns dos brinquedos que lembramos dos tempos da nossa infância. E da infância dos nossos pais. E talvez até dos nossos avós. A Vida Portuguesa não ressuscitou apenas marcas antigas de sabonetes e pastas de dentes: tem gaitas e fisgas, máquinas de costura e piões. Uma viagem ao passado e um mundo de objectos que fazem a diferença em qualquer quarto dos brinquedos. 

52
Bowling City
Fotografia: Ana Luzia
Coisas para fazer, Jogos e passatempos

Bater umas bolas no Bowling City

icon-location-pin Carnide/Colégio Militar

Quer uma pista para diversão garantida? Aqui tem doze por onde escolher. Inaugurada em 2013 no Centro Comercial Colombo, a Bowling City ocupa uma área de mais de 2000 m2 distribuída por dois pisos. E num deles cabem 12 pistas de bowling. Mas até lá chegar, vai ter de resistir (ou não, é consigo) às tentações do primeiro piso desta cidade dentro de portas. Aqui também existem Zona Arcade (para maiores de 16), teatro 5D, matraquilhos e air hockey. Se não souber as regras, também no site tem tudo o que precisa aprender antes de atirar a bola (para a pista do vizinho).

Publicidade
53
Viagem à Corte do Século XVIII, no Palácio Nacional de Queluz,
©PSML
Atracções, Edifícios e locais históricos

Fazer uma visita ao rei no Palácio Nacional de Queluz

icon-location-pin Grande Lisboa

Convenhamos: a visita a um palácio pode ser um bocejo. E então para as crianças nem se fala. Não podem mexer em quase nada, não se avista vivalma… Mas e se de repente aparecer um senhor de cabeleireira de tom duvidoso, trajado com uns calções acetinados a roçar o ridículo? Todo este cenário acontece na Viagem à Corte do Século XVIII, no Palácio Nacional de Queluz, uma actividade que mistura na dose certa a visita às salas principais daquela que foi a residência de Verão de D. Pedro de Bragança e da rainha D. Maria I com uma reconstituição histórica em que não faltam muitas das personagens que faziam parte da corte setecentista portuguesa, vestidas a rigor. De repente é como se a História desse um salto no tempo e o palácio recuperasse os seus inquilinos de há três séculos. No salão de baile, nos jardins ou na sala do trono surgem princesas, aias e gente nobre com o ar mais natural deste mundo, interagindo com as famílias do século XXI como se nunca tivessem deixado de habitar tão faustosos aposentos.

54
Kartódromo internacional de palmela
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer, Eventos desportivos

Rasgar nas curvas do Kartódromo Internacional de Palmela

icon-location-pin Grande Lisboa

Os aspirantes a piloto de Fórmula 1 vão ficar delirantes, mas é melhor confirmar bem com a fita métrica antes de sair de casa: o kartódromo tem uma pista júnior para os mais novos, com karts de vários tamanhos, só que é obrigatório ter 1,20 metros de altura para poder acelerar. Aos fins-de-semana, a pista pode ser reservada para grupos por uma hora, de manhã ou entre as 14.00 e as 15.00, por 160€. Fora desse período, os bilhetes são individuais e custam 11€/15 minutos. Na pista, há um técnico a garantir a segurança e a ensinar as regras básicas de condução – importante para os pais – mas o que eles vão querer mesmo é aprender tudo rapidamente para sentirem a adrenalina de andar numa pista a sério. 

Publicidade
55
Esplanada da Mata
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Comer uma tosta XL na Esplanada da Mata

icon-location-pin Alvalade

É um dos segredos mais mal guardados de Lisboa, até porque a maioria dos pais que por ali passa acaba quase sempre por voltar. Não admira que tenha sido eleita a melhor esplanada da cidade pelos leitores da Time Out. O menu é limitado e a maioria das opções tem ingredientes de sabor intenso – como queijo da ilha ou pimentos – que podem não agradar aos mais novos. Mas é tudo tamanho XL – ideal para dividir – e também há hambúrgueres e snacks mais simples. A envolvente compensa: o quiosque fica mesmo ao lado do parque infantil e à volta não faltam árvores e espaço para brincar e explorar.

56
Parque infantil do Alvito

Brincar num dos parques mais antigos da cidade: o Parque Infantil do Alvito

Infelizmente não é possível largar as crianças aqui e vir buscá-las quando tiverem idade para votar. Mas ao menos os pais podem ter uns minutos de descanso enquanto as suas crias lutam por um lugar no baloiço. Desenhado pelo arquitecto Keil do Amaral, é um dos parques mais antigos de Lisboa, famoso, à data da sua inauguração, por ter um avião e um eléctrico verdadeiros como elemento decorativo e de diversão. Agora há tendas, um comboio e uma caravela de madeira e todo o tipo de equipamentos novos, devidamente homologados pela União Europeia. Há ainda uma zona de merendas, um café com esplanada e um campo de futebol.

09.00-20.00 (verão); 09.00-18.00 (Inverno). Entrada livre

Publicidade
57
Passeios de Charrete em Belém pela Qtour
©Qtour

Andar de charrete em Belém com a Qtours

As charretes, puxadas por cavalos, eram o meio de transporte dos tempos dos reis, quando os automóveis ainda não tinham sido inventados. Menos poluentes e menos barulhentas (mas também menos rápidas e confortáveis), acabaram por desaparecer. Uma pena. A boa notícia é que os miúdos podem ter a sorte da Cinderela e passear, com toda a pompa e circunstância, numa bonita charrete à antiga na zona de Belém. As viagens da Qtours duram 20 minutos e acontecem o ano inteiro (excepto se estiver a chover). Basta aparecer na Praça do império e pagar o bilhete (8,50€/adultos; 6,50€ crianças entre os 3 e os 10 anos) para todos se transformarem em verdadeiros príncipes e princesas.

www.qtour.pt. 96 560 3119

58
grande panorama de lisboa museu do azulejo
©DR
Museus

Fazer contas no Museu Nacional do Azulejo

icon-location-pin Beato

É preciso tirar a medida da palma da mão e seguir pela parede a linha do painel de azulejos. Quem consegue calcular quanto mede a maior obra do Museu do Azulejo? A desculpa é esfarrapada, mas serve para entusiasmar os miúdos e, à boleia dos cálculos, ajuda a chamar a atenção para a pormenorizada vista de Lisboa antes do terramoto do painel de azulejos que é o ex-líbris do museu –, o que dá pano para mangas para falar da catástrofe e da reconstrução pombalina. O museu do antigo Mosteiro da Madre de Deus, do século X, organiza regularmente workshops de cerâmica e pintura para famílias. A exposição permanente recua até ao século XVI, quando por influência árabe a corte passou a usar azulejos para decoração. D. Manuel iniciou a moda em 1508, com a encomenda de 10 mil ladrilhos a uma fábrica de Sevilha para o Palácio Real de Sintra. E agora a solução: o "Grande Panorama de Lisboa", que terá sido pintado por Gabriel del Barco em 1700, tem 23 metros de comprimento. 

Publicidade
59
Quinta da Regaleira - Muralha
©DR
Atracções, Quintas

Descer às profundezas da terra na Quinta da Regaleira à noite

icon-location-pin Sintra

Jardins luxuriantes, lagos, fontes, torres, terraços e grutas. Uma visita à misteriosa Quinta da Regaleira tem muito que se lhe diga, mas o que realmente fascina os miúdos mais corajosos é o poço iniciático, uma galeria subterrânea em espiral, por onde se descem nove patamares até às profundezas da terra. 

60
white afrodisiac telephone dali
©Jose Manuel Costa Alves/Berardo
Museus

Descobrir o telefone-lagosta no Museu Colecção Berardo

icon-location-pin Belém

A colecção é do século XX, quase pré-história para eles, mas nem por isso os miúdos vão ter dificuldade em encontrar focos de atracção em qualquer uma das exposições que mostram rotativamente as mais de 800 obras até hoje reunidas por Joe Berardo. Estão lá os principais movimentos artísticos, nomes como Picasso, Warhol, Bacon, Pollock, Lichtenstein ou Miró, ao lado dos portugueses Pedro Cabrita Reis, Mário Cesariny, Miguel Palma ou Paula Rego e vale sempre a pena voltar, nem que seja para ver melhor o Telefone-Lagosta, a peça que Salvador Dali criou em 1938 e que se tornou um dos ícones do período surrealista. Há também oficinas, visitas-jogo com magia e outras actividades em datas específicas, que são anunciadas no site. Fique atento. 

Publicidade
61
LXSkate
©LXSkate
Coisas para fazer, Aulas e workshops

Ser o fixe do skate no Lx Skate

icon-location-pin Parque das Nações

Nunca é tarde para se tornar um Tony Hawk, mas mais vale começar cedo. Aos cinco anos os miúdos já se podem pôr em cima de um skate e até aprendem a fazer umas manobras que farão deles os mais cool da escola. Na Lx Skate não há limite de idade, diz Afonso Castella, que tanto ensina crianças como crescidos de 30 anos. Só precisam de vontade e, claro, de um skate. Juntar joelheiras, capacete e cotoveleiras também não é mal pensado. Há aulas ao fim-de-semana que duram 1h30 e são dadas em turmas que podem ser de 10 crianças. Há sempre dois professores presentes que ensinam os mais pequenos em dois skateparks da cidade: Parque das Nações e Palácio da Justiça (em São Sebastião). As marcações devem ser feitas com dois dias de antecedência, por telefone. Os professores não prometem que os miúdos saiam de lá a fazer airwalks em rampas ou halfpipes, mas garantem um bom equilíbrio em cima do skate. Ou tábua, se quiser parecer mesmo fixe ao pé dos mais novos.

62
comboio cais do sodré-cascais
Fotografia: Ana Luzia

Apanhar o comboio até Cascais

Primeiro o rio, depois o mar. A primeira carruagem partiu do Cais do Sodré em 1889 num comboio puxado por uma locomotiva a vapor. Hoje a viagem até Cascais é menos fumegante, mas continua a ser um dos passeios mais apetecíveis da Grande Lisboa para fazer em família. Dura entre 33 e 42 minutos e é muito concorrida nos meses de Verão por quem quer ir à praia sem andar no trânsito. Mas nem só de sol vive esta vila: há sempre muitas coisas para fazer em Cascais

Publicidade
63
Pizza Primavera, Casanova
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Comer uma pizza no Casanova

icon-location-pin São Vicente 

Já todos sabemos que as pizzas do Casanova são mesmo boas e que (infelizmente) há quase sempre fila à porta. A parte boa é que a cozinha abre às 12.30 e não pára durante a tarde inteira, a permitir refeições fora de horas. No menu, há uma massa per bambini, mas é das pizzas que eles gostam mais, o que torna ainda mais difícil dizer "sim" à sobremesa, quando suplicam para experimentar a foccacia de Nutella – mesmo que seja para dividir. Os miúdos acham graça às lâmpadas vermelhas com interruptor para chamar os funcionários, mas não tanto às mesas corridas, com pouco espaço para circular à volta: prolongar muito a refeição é, por isso, de evitar.  

A Time Out diz
64
borboletário, muhnac
©Arquivo do Borboletário do Muhnac
Museus, História natural

Ver borboletas no Museu Nacional de História Natural e da Ciência

icon-location-pin Princípe Real

É o sítio ideal para explorar a evolução das espécies e ficar a saber tudo sobre o reino animal e o mundo vegetal, em destaque no Jardim Botânico. E porque o conhecimento não vem só do que se lê nos livros, nem mesmo de visitas guiadas (que também há), vale a pena estar atento à agenda do museu, com festas e workshops para todos os gostos e idades. Obrigatório é espreitar o borboletário: a primeira estufa de criação de borboletas da fauna Ibérica aberta ao público, com espécies como: cauda-de-andorinha, almirante-vermelho, carnaval, malhadinha, borboleta-grande-da-couve, grande-pavão-nocturno e a pequena-pavão-nocturno.

Publicidade
65

Fazer os primeiros amigos no parque com o playgroup Let's Play